Fotogaleria

Porque “nunca passamos tempo suficiente com os nossos avós”

©Sujata Setia
Fotogaleria
©Sujata Setia

“É uma pena”: a fotógrafa indiana Sujata Setia não guarda nenhuma fotografia dos seus avós. “Quando era pequena, não tinha noção da importância do laço que partilhava com os meus avós”, disse ao P3, em entrevista por e-mail a partir de Londres, onde reside há dez anos. “Tinha-os como garantidos. Hoje tenho uma filha e vejo-a a cometer o mesmo erro. Não é bem um erro, é uma característica da idade. Uma criança não tem preocupações relativamente ao futuro e não pensa nas relações da mesma forma que um adulto, nem mesmo aquelas que são mesmo importantes, e quando elas terminam sobra apenas uma coisa: arrependimento. Devia ter passado mais tempo com eles. Nunca passamos tempo suficiente com os nossos avós.” Sujata sente a falta deles, mas não guarda nenhum objecto que materialize a sua memória, que seja “tangível”, explica.

Esta série de retratos surge como forma de Sujata recriar os momentos que viveu com os avós. E a forma como o faz é, no mínimo, inusitada. Por vezes, a fotógrafa aborda pessoas externas ao seu ciclo de amigos e conhecidos e oferece-se para retratar, simplesmente, momentos felizes entre avós e netos. É um presente que decide dar a pessoas desconhecidas e que, tem a certeza, será apreciado no futuro. Porque nunca passamos tempo suficiente com os nossos avós.

©Sujata Setia
©Sujata Setia
©Sujata Setia
©Sujata Setia
©Sujata Setia
©Sujata Setia
Sugerir correcção