Morreu aos 92 anos Presidente da Tunísia, figura fundamental da transição democrática

Béji Caïd Essebsi assumiu o cargo em 2014 e chefiou o primeiro governo após a deposição do ditador tunisino Ben Ali em 2011. Foi substituído pelo presidente do Parlamento, Mohamed Ennaceur.

Há um mês que Beji Caid Essebsi era raramente visto em público
Fotogaleria
Há um mês que Beji Caid Essebsi era raramente visto em público epa/MOHAMED MESSARA
,Tunísia
Fotogaleria
Reuters/ANIS MILI
,Tunísia
Fotogaleria
epa/MOHAMED MESSARA
,Presidente da Tunísia
Fotogaleria
Reuters/Mohamed Abd El Ghany
,Presidente da Tunísia
Fotogaleria
Reuters/Darrin Zammit Lupi

O Presidente tunisino, Béji Caïd Essebsi, morreu esta quinta-feira num hospital militar em Tunes, capital da Tunísia. O presidente do Parlamento, Mohamed Ennaceur​, já tomou posse como como chefe de Estado interino, por um período entre 45 a 90 dias, segundo a Constituição da Tunísia. AS eleições presidenciais, que estavam marcadas para 17 de Novembro, devem ser adiantadas, disse o presidente do órgão que fiscaliza as eleições.

O chefe de Estado de 92 anos e até agora o segundo mais velho no Mundo – só Isabel II lhe ficava à frente por mais um ano – foi ministro do pai da independência, Habib Bourguiba, e presidente da Câmara de Deputados do ditador Zine El Abidine Ben Ali, deposto em 2011, dando inicio ao que se veio a chamar Primavera Árabe. Mas reconverteu-se ao regime democrático e teve um papel importante para assegurar a estabilidade na transição democrática tunisina. Chegou ao cargo em 2014, o primeiro a ser eleito por voto popular, através de um pacto com o partido islamista Ennadha.

Essebsi foi por duas vezes internado de emergência em pouco mais de um mês, por causa de uma “grave crise de saúde”, sem mais pormenores a serem adiantados. Desde 1 de Julho, data do seu primeiro internamento, que foi apenas visto publicamente duas vezes.

A Tunísia terá eleições legislativas a 6 de Outubro e as presidenciais estavam previstas para três semanas mais tarde. Mas o presidente do Parlamento tem agora 90 dias para organizar presidenciais, pelo que deverão ser adiantadas e realizar-se até 23 de Outubro, diz o Le Monde. Será a terceira vez que os tunisinos elegem um Parlamento e a segunda que escolhem um Presidente.

O país está ainda a recuperar de 60 anos de ditadura. As fracturas políticas e sociais são ainda evidentes. Secularistas, nos quais se incluem esquerdistas e nacionalistas árabes, opõem-se a islamistas que obtiveram 28% dos votos nas eleições de 2014. O desemprego é muito alto: permanece em 15%, quando em 2010 era de 12%. Falta investimento e a economia não cresce. Há um grande nível de insatisfação social entre os jovens, tal como o que levou aos protestos populares que derrubaram a ditadura em 2011.

Uma velha mão na política

Essebsi atravessou a história política da Tunísia independente. Nascido a 29 de Novembro de 1926 e com formação em Direito, foi assessor do pai da independência tunisina do colonialismo francês, Habib Bourguiba. Desempenhou uma série de cargos sob a sua orientação, entre 1957 e 1971, entre os quais director da Polícia Nacional, ministro do Interior e da Defesa e até de embaixador na capital francesa.

Mais tarde, com a chegada de Ben Ali ao poder, por via de um golpe de Estado em 1987, Essebsi trocou de lealdade política e continuou a desempenhar cargos políticos sob o novo poder em Tunes. Foi embaixador na Alemanha e, entre 1990 e 1991, presidente do Parlamento tunisino.

Em 2011, a Tunísia foi o primeiro país muçulmano sob regime ditatorial a ser palco das revoltas de jovens que ficaram conhecidas como as Primaveras Árabes, Milhares de tunisinos tomaram as ruas e conseguiram depor, pela pressão popular, Ben Ali, obrigando-o em dez dias a fugir para a Arábia Saudita.

O país arriscava-se a cair no caos e violência e Essebsi desempenhou um papel fundamental ao ser nomeado pelo então Presidente interino, Fouad Mebazaa, primeiro-ministro interino, até se realizarem eleições para a Assembleia Constituinte. Negociou com os partidos uma transição pacífica para a democracia. Os seus críticos acusam-no de, aos poucos, ter consolidado o poder em torno da sua figura.

Em 2011, os tunisinos foram a votos e o partido islâmico Ennahda ganhou-as com mais de 50%. Coligou-se com outros dois partidos – o secular Congresso para a República e o Ettakatol – e uma nova Constituição foi redigida. Três anos depois, nas legislativas de 2014, o partido fundado por Essebsi, o secular Nidaa Tounès (Apelo de Tunes, em português), chegou ao Governo. 

Concorreu às primeiras eleições presidenciais democráticas, em 2014, e ganhou-as com 55,68% dos votos – tinha então 88 anos. Em 2018, anunciou que não se iria candidatar a um segundo mandato para dar lugar a alguém mais jovem.

Mas os seus críticos acusam-no de, à distância, ter controlado o Governo tunisino com a ajuda do seu filho, Hafedh Caïd Essebsi, presidente do Nidaa Tounès, concentrando o poder na sua figura. Uma prática que foi comparada à de Ben Ali, durante décadas.