Fracasso nas negociações de governo em Espanha

Fontes do PSOE disseram ao El País que as exigências de Pablo Iglesias são “inaceitáveis” e que os socialistas recusam-se a ter dois governos.

Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos, durante o debate de investidura no Congresso espanhol
Foto
Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos, durante o debate de investidura no Congresso espanhol BALLESTEROS/EPA

As negociações entre o Partido Socialista e o Unidas Podemos para formação de um governo redundaram em fracasso. O mesmo foi anunciado por fontes governamentais ao jornal El País. Segundo essas fontes, as exigências do partido de Pablo Iglesias são “inaceitáveis” por considerarem que as mesmas significariam “criar dois governos”.

Ainda segundo os socialistas, o Podemos manteve até ao fim a sua exigência de uma vice-presidência e cinco ministérios, chegando a passar à imprensa o documento que enviou ao PSOE. De acordo com o eldiario.es, a equipa de negociações de Pedro Sánchez teria contraposto três ministérios e uma vice-presidência.

Fontes do Podemos disseram ao referido jornal online que Sánchez telefonou a Iglesias para lhe dizer que os socialistas recusavam dar poderes ao Podemos nos ministérios do Trabalho, Finanças, Transição Ecológica e Igualdade. Garantindo que essa “era a sua última palavra” sobre a matéria.

O contacto do primeiro-ministro em exercício aconteceu horas depois de um último encontro entre Carmen Calvo e Pablo Echenique, os líderes das equipas negociais dos dois partidos. Ao final da manhã desta quarta-feira, Calvo entregou a Echenique a última proposta dos socialistas e a afirmação de que seria a última.

Sem o apoio do UP, Sánchez tem poucas ou quase nenhumas possibilidades de conseguir ser investido como primeiro-ministro no Congresso, mesmo que na votação desta quinta-feira precise apenas de ter mais “sins” que “nãos”.