Semana começa com termómetros a bater nos 40ºC

A subida de temperatura registada neste início de semana em Portugal e noutros países europeus é explicada pela chegada de “ar muito quente” vindo do Norte de África e do interior da Península Ibérica.

Foto
PAULO PIMENTA

Os próximos dias serão de calor: o território continental português terá a maior parte dos seus distritos com temperaturas máximas acima dos 30 graus Celsius, alguns deles a bater nos 40ºC, como é o caso de Castelo Branco – o que dificulta o combate ao incêndio que lavra desde sábado no distrito. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alerta ainda que chega nesta segunda-feira um “novo período de calor na Europa”, com temperaturas muito altas, sobretudo nas regiões interiores. Ainda assim, não será tão grave quanto a onda de calor do final de Junho.

Além dos 40ºC de máxima registados em Castelo Branco, os termómetros chegarão nesta segunda-feira aos 38 graus Celsius em Évora, aos 37ºC em Beja, Bragança, Portalegre e Vila Real e aos 35ºC na Guarda. Em Lisboa, as temperaturas máximas serão de 33 graus Celsius e, no Porto, as temperaturas serão mais amenas, registando-se 24ºC de máxima (tal como em Aveiro e Sines). Setúbal e Santarém registarão 34ºC de máxima. Na Madeira, as temperaturas rondarão os 26ºC de máxima e os Açores terão chuva e máximas de 27ºC.

A partir desta segunda-feira, dia 22, o calor atinge sobretudo as regiões mais interiores – valores similares aos 40ºC registados em Portugal estão previstos para o Sul de Espanha e para França, revela uma nota divulgada pelo IPMA.

Nessa nota, é explicado que esta subida da temperatura do ar se deve ao “transporte de ar muito quente do Norte de África e do interior da Península Ibérica”, que acontece por causa da “persistência de uma região de altas pressões sobre o Mediterrâneo Ocidental e França”.

PÚBLICO -
Foto
Previsões de tempo para esta segunda-feira DR

Estas temperaturas altas fazem lembrar a onda de calor que assolou a Europa no final de Junho – com França a ter as temperaturas mais altas alguma vez registadas –, mas o IPMA informa que o calor desta semana é de “menor intensidade e de menor persistência” do que aquele registado em Junho.

Na terça-feira haverá “uma pequena descida da temperatura máxima” e haverá também um aumento temporário de nebulosidade nas regiões do interior, em especial do Norte e Centro, onde há possibilidade de ocorrência de trovoada e aguaceiros. As temperaturas continuarão altas em Castelo Branco, onde se registará uma temperatura máxima de 37ºC. Serão mais amenas no resto do país: Lisboa registará 30ºC de máxima e o Porto 23ºC. Em Beja e Évora, os termómetros chegam aos 36ºC na terça-feira. Já quarta-feira será dia de céu nublado por todo o país.

Risco de incêndio em Castelo Branco e Santarém

Além do tempo quente, a baixa humidade e o vento dificultam o combate aos incêndios – sobretudo daquele que lavra nos concelhos de Mação e de Vila de Rei, que está quase dominado mas ainda tem zonas activas, com chama.

“Para as regiões afectadas pelos incêndios que pertencem ao distrito de Castelo Branco estão previstos 39ºC e baixa humidade que pode atingir os 15% durante a tarde. Para amanhã [terça-feira] já se prevê uma pequena descida da temperatura máxima e uma ligeira recuperação da humidade relativa nas regiões do interior norte e cento”, explicou a meteorologista do IPMA Madalena Rodrigues.

Entre os quase 40 concelhos em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Vila de Rei e Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, e Mação e Sardoal, em Santarém. Há também vários concelhos dos 18 distritos de Portugal continental em risco muito elevado e elevado de incêndio.

Risco muito elevado de exposição a radiação UV

Além das temperaturas altas, Portugal continental e o arquipélago da Madeira apresentam nesta segunda-feira um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV). No arquipélago dos Açores, as ilhas das Flores e do Faial estão também com um nível muito elevado; a Terceira com risco elevado e São Miguel com níveis baixos.

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protector solar e evitar a exposição das crianças ao sol.

O índice ultravioleta varia entre um e dois, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, três a cinco (moderado), seis a sete (elevado), oito a dez (muito elevado) e superior a 11 (extremo). O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.