Marcelo em Mação, Vila de Rei e Sertã após o fim dos incêndios

O Presidente recordou comissão parlamentar independente dos fogos de 2017, que afirmou que a presença de políticos prejudica a luta contra o fogo.

,Junho de 2017 Portugal incêndios florestais
Foto
LUSA/Paulo Cunha

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tencionar visitar os concelhos dos distritos de Castelo Branco e Santarém afectados este fim-de-semana pelos incêndios, quando a situação estiver controlada no terreno.

“Uma vez concluído este processo, tenciono visitar as áreas ardidas”, disse Marcelo. O Presidente recordou, assim, as recomendações do relatório da comissão parlamentar independente dos fogos florestais de 2017, segundo a qual a presença de pessoas alheias ao combate directo aos incêndios é prejudicial, porque desvia a atenção dos responsáveis. “Parece-me sensato. Mesmo que bem intencionadamente, a presença pode ser factor mais de perturbação do que de ajuda”, disse Marcelo.

“Vi que esta manhã o senhor ministro da Administração Interna reiterou este princípio”, disse o Marcelo a propósito das declarações de Eduardo Cabrita, este domingo, numa visita à Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC).

“Acompanho e manifesto solidariedade aos autarcas e às populações, mas não devo comentar as situações concretas da intervenção”, disse à SIC, não querendo, deste modo, nada adiantar sobre a eficácia da luta dos bombeiros coordenados pela ANPC.

Recorda-se que já este sábado, no primeiro dia do incêndio, no site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa revelou ter estado em contacto telefónico com os presidentes das câmaras da Sertã, Vila de Rei e Mação, os concelhos até agora atingidos. Marcelo manifestou expectativa pela evolução dsa condições meteorológicas durante esta tarde e na noite deste domingo.

Na manhã deste domingo, o Presidente visitou o civil internado com queimaduras graves no Hospital de São José, em Lisboa, afirmando que está a recuperar. Este é o único dos 20 feridos registados até ao meio da tarde deste domingo que se encontra internado. “Tentava salvar, mas quando quis fugir do fogo foi atingido”, explicou o Presidente.