Invasão francesa, nicho britânico e gasolineiras do Porto

Phoenix e Christine and The Queens foram destaques no palco principal dominado por artistas franceses.

Foto
Christine and The Queens no Palco Super Bock Andreia Carvalho

O segundo dia do Festival Super Bock Super Rock viu a sua programação ser influenciada pela presença de quatro nomes franceses nos principais palcos do festival: Phoenix e Christine and The Queens no Palco Super Bock; Charlotte Gainsbourg e FKJ no Palco EDP. Uma presença que contraria o domínio anglo-saxónico do mercado da música.

“É estranho a música francesa não ser mais consumida em Portugal devido à nossa forte ligação com emigrantes, mas o problema pode estar do lado dos franceses”, explicou Kron Silva, rapper que acompanha os Conjunto Corona, grupo de hip-hop do Porto conhecido por adoptar a cultura local nas letras e pelos samples obscuros apenas ao alcance dos melómanos. “A indústria deles pode não estar vocacionada para a exportação. Existem muitos imigrantes que podiam trazer música francesa para cá, mas acontece o contrário, eles é que levam a música portuguesa para lá.”

Se a presença de tantos nomes franceses pode causar alguma confusão, a escolha dos artistas britânicos neste segundo dia foi também pouco ortodoxa. Em vez da aposta nos típicos nomes do pop ou rock, marcaram presença duas jovens bandas de nichos (opostos) emergentes de Londres: os Shame e os Ezra Collective. Os primeiros são uma banda do novo movimento punk britânico que tem vindo a conquistar o coração dos portugueses, à semelhança dos Idles, que na semana passada foram um dos destaques do Nos Alive, enquanto os segundos fazem parte da nova onda jazz londrina que tem recebido muita atenção.

“O Reino Unido sempre teve um potencial acima do resto dos países e isso acontece por ser um melting pot com influências de muitos países”, explica David Bruno, produtor do Conjunto Corona. “Sou um grande fã do jazz londrino e tenho acompanhado bastante este movimento. Lembro-me, por exemplo, do concerto de Yussef Kamaal e da Nubya Garcia no Milhões de Festa. São concertos que não têm uma palavra e são incríveis.”

Os músicos lembram que o apoio à música e à cultura musical pode ajudar a música portuguesa a crescer no mesmo sentido do que no Reino Unido. “Em Inglaterra, para além de existir uma sala de concertos grande em todas as cidades, há uma maior aposta e confiança nas bandas nacionais. Ninguém se importa de pôr como cabeça de cartaz uma banda inglesa desde que esta tenha valor”, defendeu o produtor.

Os Conjunto Corona construíram a sua reputação ao criarem música inspirada nas suas vivências na cidade do Porto, adoptando, com orgulho, o sotaque e calão típicos da região. “Sinto que a nossa música é uma espécie de postal da cidade que te transporta, seja de que lado fores, para as ruas do Porto”, disse Kron Silva. “Não precisas de ser do Porto para gostares de Corona e isso tem-se evidenciado cada vez mais. As pessoas sentem uma ligação com a cultura da cidade e interiorizam isso.”

O último álbum dos Corona, Santa Rita Lifestyle, editado no ano passado, é uma ode a uma bomba de gasolina nesta freguesia do concelho de Valongo. “Nós falamos um pouco sobre realidades banais de que as pessoas evitam falar, como tomar café numa bomba de gasolina ou comer um pão com chouriço. Elas não estão habituadas a este tipo de ligação com actividades mais terra a terra e a fazer disso arte.”

Editado por Isabel Salema