Duas deputadas do PSD são arguidas no caso das falsas presenças

Na última sessão plenária da legislatura houve cinco pedidos de levantamento da imunidade parlamentar. Feliciano Barreiras Duarte também é arguido.

Fotogaleria
Emília Cerqueira (PSD) LUSA/MANUEL DE ALMEIDA
Fotogaleria
Maria das Mercês Borges (PSD) Miguel Manso
Feliciano Barreiras Duarte
Fotogaleria
Feliciano Barreiras Duarte (PSD) Rui Gaudencio
José Silvano
Fotogaleria
José Silvano (PSD) Nelson Garrido

Foram aprovados por unanimidade, no plenário desta sexta-feira, cinco pedidos de levantamento da imunidade parlamentar: ao secretário-geral do PSD, José Silvano; às deputadas Emília Cerqueira e Maria das Mercês Borges; e a Feliciano Barreiras Duarte (dois pedidos). Emília Cerqueira e Mercês Borges são arguidas no caso das falsas presenças no plenário e vão responder pelos crimes de abuso de poder e de falsidade informática, apurou o PÚBLICO. Neste caso, José Silvano está apenas indicado como testemunha. Já o ex-secretário-geral Feliciano Barreiras Duarte é arguido por causa do currículo.

O Ministério Público abriu um inquérito-crime em Novembro de 2018, depois de ter sido noticiado pelo Expresso que Emília Cerqueira registou informaticamente o colega José Silvano como presente em dois plenários quando o deputado se encontrava a quilómetros de Lisboa. A deputada justificou posteriormente que fez o registo “inadvertidamente” ao tentar aceder ao e-mail do secretário-geral, usando a sua password pessoal.

No caso de Mercês Borges, a deputada registou o voto de Feliciano Barreiras Duarte no plenário de 30 de Outubro, em que foi votado o Orçamento de Estado de 2019. O deputado, que foi o primeiro secretário-geral indicado por Rui Rio em Fevereiro de 2018, estava ausente do Parlamento no momento da votação por causa de uma emergência familiar, depois de ter estado presente durante a manhã.

Já no que diz respeito a Feliciano Barreiras Duarte foram feitos dois pedidos de levantamento de imunidade. Em causa está o currículo oficial do deputado em que incluiu o estatuto de “visiting scholar” da Universidade da Califórnia, em Berkeley, sem nunca ter estado em Berkeley. 

José Silvano emitiu uma nota ainda na sexta-feira à noite na qual reconhece que o Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa pediu à Assembleia da República o levantamento da imunidade parlamentar para ser ouvido na qualidade de testemunha. “A inquirição como testemunha apenas é possível por não existirem indícios da prática de qualquer crime tal como, desde o início, afirmei”, escreveu o deputado.