De Londres para o mundo: o jazz é festa, política e comunidade

Uma nova geração de músicos filiados no jazz, mas abertos a contaminações, começou a dar que falar em Londres e agora a sua influência expande-se pelo mundo. Do clube Steam Down aos Ezra Collective, Kokoroko e Nubya Garcia, todos com concertos em Portugal nos próximos dias, radiografia de uma família cada vez mais influente.

Foto
Shabaka Hutchings (Sons Of Kemet, The Comet Is Coming) Paulo Pimenta

Já não se percebe muito bem quem está em palco a tocar ou na assistência a dançar, os corpos abandonam-se à música, misto de transpiração, prazer e transcendência. Alguém se empoleira em algo, solta uma bandeira, maneja-a com vigor e grita “Façam barulho!”, enquanto rapazes e raparigas, negros, brancos ou orientais, a maioria na casa dos 20 ou 30 anos, respondem com entusiasmo, com baterista e baixista a imprimirem ainda mais vertigem rítmica ao ritual, coadjuvados pelo desvario do saxofone. Já não são apenas os músicos que tocam, cantam e vibram. O público também. E uma imensa energia colectiva toma conta do espaço.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários