Duarte Marques quer comissária, Elza Pais defende “perfil adequado”

Os quatro comissários portugueses, três indicados pelo PSD incluindo Durão Barroso como presidente da Comissão Europeia, e António Vitorino, do PS, foram homens.

Carlos Moedas
Foto
O comissário Carlos Moedas nelson garrido

O deputado do PSD Duarte Marques lançou um repto ao Governo de António Costa para que na próxima Comissão Europeia Portugal tenha uma comissária. A líder das Mulheres Socialistas, Elza Pais, concorda com o princípio, mas lamenta que o eleito não se tenha batido pela alternância nos dois primeiros lugares nas listas proposta pelo PS.

“Portugal é o único país da UE [União Europeia] a 12 que nunca indicou uma mulher como comissária. Talvez esta fosse uma boa oportunidade para o @govpt escolher uma”, escreveu Duarte Marques no Twitter. Horas antes de o Parlamento Europeu votar a candidatura para presidente da Comissão Europeia da alemã Ursula von der Leyen, ministra da Defesa de Ângela Merkel, e de se saber se é já hora da escolha dos comissários, o tempo acelerou nas redes sociais.

“Concordo com o princípio, temos de ter mais mulheres nas lideranças política e económica, hoje temos equilíbrio de género de 40% na política, mas houve normas na lei de paridade que caíram porque o PSD não concordou”, recorda, ao PÚBLICO, Elza Pais. Por isso, a líder das Mulheres Socialistas insiste com Duarte Marques. “Se ele concordava porque é que não se bateu pela norma de alternância nos dois primeiros lugares das listas, que caiu?”, interroga.

Quanto à indicação pelo Governo de António Costa de um comissário, Elza Pais enquadra a opção. “Há que escolher alguém, homem ou mulher, com o perfil adequado. O príncipio tem de ser respeitado, as mulheres não podem ser excluídas. Apesar de termos leis paritárias, ainda há um caminho a seguir”, comentou.

Ao falar de perfil adequado de homem ou mulher, a deputada do PS não discute opções, tanto mais que a escolha do comissário que irá substituir Carlos Moedas ainda não está na agenda, pois a constituição dos órgãos comunitários ainda mal começou. O antigo ministro Pedro Marques era a aposta de Costa para comissário dos Fundos Estruturais, antes das europeias de 26 de Maio.

Já mais directa foi a resposta do socialista Francisco Seixas da Costa, ex-secretário de Estado dos Assuntos Europeus. “Como o PSD indicou quatro comissários e o PS apenas um, constata-se que São Caetano à Lapa [rua da sede nacional do PSD] perdeu bem mais oportunidades para consagrar a igualdade de género”, escreveu o antigo diplomata no Twitter.

Seixas da Costa referia-se a António Cardoso e Cunha, João de Deus Pinheiro, Durão Barroso, que por ser presidente da Comissão retirou o cargo de comissário a Portugal, e Carlos Moeda, indicados por governos do PSD ou do PSD/CDS. E a António Vitorino, do PS.