Organização do Campeonato de Cruzeiros “ultrapassou as melhores expectativas”

A mais importante prova nacional na classe ORC terminou na Madeira com a vitória das embarcações Cash a Lot (ORC1), Super Açor (ORC2) e Bombay (ORC3).

Vela
Fotogaleria
O Campeonato de Portugal de Cruzeiros terminou com a vitória das embarcações Cash a Lot (ORC1), Super Açor (ORC2) e Bombay (ORC3) Rodrigo Moreira Rato
Windsurf
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Bote
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Windsurf
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato

Com cinco das sete regatas previstas cumpridas e passagem por Porto Santo, Desertas, Funchal e o Caniçal, o Campeonato de Portugal de Cruzeiros terminou com a vitória das embarcações Cash a Lot (ORC1), Super Açor (ORC2) e Bombay (ORC3). António Roquette, presidente da Federação Portuguesa de Vela (FPV), considera que a organização da prova pela Associação Regional de Vela da Madeira (ARVM) “ultrapassou as melhores expectativas no mar e em terra”. Para o ano, o campeonato realizar-se-á na Ilha Terceira, nos Açores.

Foram quatro dias de regatas com condições de mar e de vento quase perfeitas e, num balanço final, o presidente da FPV enaltece a “competitividade das cinco regatas realizadas” e o “trabalho fantástico” da ARVM na organização do evento, que “foi um sucesso”. António Roquette considera que “provas destas alavancam a FPV” e adianta que pretende ter, no final de 2020, uma “uma frota de ORC com 60 a 70 barcos medidos”. 

Por parte da secretária regional do Turismo e Cultura, Paula Cabaço mostrava-se “duplamente satisfeita”. Primeiro, por “o Campeonato de Portugal de Cruzeiros regressar à Madeira tantos anos depois” e, segundo, “por ser numa altura em que se celebram os 600 anos" da Descoberta da Madeira e do Porto Santo.

Paula Cabaço referiu no final da competição que “o mar e os desportos náuticos têm uma grande importância” para a região, pelo que “saber que o balanço é positivo” deixa os madeirenses “extremamente satisfeitos”.

A secretária regional refere ainda que este evento mostra as potencialidades que a Madeira e o Porto Santo têm” para serem “palco de grandes eventos” e sublinhou a importância deste tipo de provas para o turismo local: “Cada vez mais a Madeira é procurada por turistas que já não querem usufruir do destino de uma forma contemplativa, mas tendo um papel mais activo, quer seja ligada aos desportos da montanha ou do mar. Temos muito interesse em projectar iniciativas como estas para mostrar este lado do turismo activo e que pode ser feito ao longo de todo o ano.”

O presidente da Comissão Executiva das Comemorações dos 600 Anos, Guilherme Silva, admitiu que a realização do Campeonato de Portugal de Cruzeiros na Madeira e no Porto Santo ajudou a camuflar uma lacuna nas comemorações. “Tenho dito que falta mais mar nas comemorações e manifestações como esta, que tem uma vertente desportiva, mas também uma ligação e raízes nas viagens que os nossos navegadores iniciaram há 600 anos e tiverem na Madeira o primeiro fruto dessa aventura. É muito gratificante associar-nos esta iniciativa”, realçou.

Fechado o pano sobre a edição 2019 do Campeonato de Portugal de Cruzeiros, a competição seguirá no próximo ano para os Açores, onde em Julho o evento será organizado na Terceira pelo Angra Iate Clube.