Trump diz a quatro congressistas democratas progressistas para “voltarem” aos seus “países de origem”

Alexandria Ocasio-Cortez, Rashida Tlaib, Ayanna Pressley e Ilhan Omar responderam a Trump. O comentário no Twitter está a ser condenado como racista por vários membros do Partido Democrata.

,A casa branca
Foto
Reuters/Leah Millis

O Presidente norte-americano Donald Trump voltou a desencadear uma controvérsia no Twitter, ao dizer que “as congressistas norte-americanas democratas” progressistas que o criticam devem voltar para os “sítios destruídos e infestados de crime de onde vieram”.

O comentário chega após o arranque de uma operação do Governo norte-americano para deter e deportar imigrantes ilegais e está a ser condenado como racista por vários membros do Partido Democrata.

Numa série de três tweets, publicados durante a madrugada de domingo, Trump escreveu que era “interessante ver congressistas ‘progressivas’” com raízes em “países com governos que são uma completa e total catástrofe” a criticar o governo dos EUA. “Porque não regressam e ajudam os lugares destruídos e infestados de crime de onde vêm? Depois voltam e mostram-nos como…”, sugeriu o presidente norte-americano. E rematou: “Não podem sair rápido o suficiente.”

Embora Donald Trump não mencione nomes, a congressista democrata Alexandria Ocasio-Cortez leu a mensagem do Presidente como um ataque directo. A democrata tem criticado as ideias de Donald Trump sobre a imigração. Apesar de ser natural de Nova Iorque, a família de Ocasio-Cortez tem raízes em Porto Rico. “Senhor Presidente —”, respondeu a congressista no Twitter, “— o país de ‘onde eu venho’ e o país a que prestamos juramento, são os Estados Unidos.” Para a democrata, o Presidente “está zangado” por não conseguir conceber um país que inclua congressistas com origens diversas.

PÚBLICO -
Foto
Alexandria Ocasio-Cortez (esquerda), Rashida Tlaib (centro) e Ayanna Pressley (direita) durante uma audiência sobre a política de separação de famílias na fronteira da Administração de Donald Trump ERIK S. LESSER/LUSA

Além de Ocasio-Cortez, de Nova Iorque, o tweet de Trump é dirigido às congressistas Ayanna Pressley, do Massachusetts, Rashida Tlaib, do Michigan, e Ilhan Omar do Minnesota. O grupo de quatro congressistas democratas – que é apelidado The Squad (o esquadrão) – tem sido bastante crítico de Trump, em particular no que toca às políticas de imigração. ​Recentemente, contestaram a aprovação de um pacote de ajuda humanitária no valor de 4,6 mil milhões de dólares pelo Departamento de Segurança Interna para resolver tensões nas fronteiras. De acordo com as congressistas, nada garante que o dinheiro seja utilizado para melhorar as condições dos centros de detenção pela Agência de Imigração e Alfândegas dos EUA. 

Do grupo, apenas Omar, que nasceu na Somália, não é natural dos EUA, mas tem cidadania. Rashida Tlaib, é filha de imigrantes da Palestina, e Ayanna Pressley é uma congressista afro-americana. Todas são cidadãs norte-americanas.

Apesar de discordar das quatro mulheres em vários pontos, a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, também criticou publicamente os comentários de Trump, definindo-os como “xenófobos”. “Quando Donald Trump diz a quatro congressistas norte-americanas para voltar para os países de onde vêm, reafirma que o seu plano de ‘Make America Great Again’ [tornar a América grandiosa novamente] sempre foi sobre tornar a América branca de novo”, escreveu Pelosi no Twitter.

Rashida Tlaib, Ilhan Omar e Ayanna Pressley também já responderam ao Presidente. Para Tlaib, a primeira a reagir, os comentários justificam a impugnação de Trump que a congressista descreve como “a crise” que atravessa os EUA. Omar descreve Trump como o Presidente “mais inepto e corrupto” que o país já teve, e Pressley diz que os comentários de Trump são a imagem do racismo.