Reportagem

A Madeira está a produzir o dobro do rum e a tentar vendê-lo fora da ilha

Era a cultura dominante há 500 anos, quando o açúcar era uma espécie de ouro e a escravatura um recurso. Regressou há mais de cem, para enriquecer vinhos licorosos. E está outra vez a ganhar terreno. A produção de cana-de-açúcar quase duplicou entre 2008 e 2018 e a “culpa”, desta vez, é de quem bebe rum agrícola.

Fotogaleria
, Ana Marques Maia,Ana Marques Maia
Fotogaleria
A fábrica de rum agrícola Engenho do Norte situa-se em Porto da Cruz Ana Marques Maia
Fotogaleria
A Companhia de Engenhos do Norte, no Porto da Cruz aposta no envelhecimento em casco de carvalho e procurara novos mercados. Ana Marques Maia
Fotogaleria
A cana entra nos engenhos e passa duas ou quatro vezes pelos moinhos. Ana Marques Maia
Fotogaleria
A poncha é feita, exclusivamente, com rum agrícola Ana Marques Maia
Fotogaleria
Exterior de Engenhos do Norte, em Porto da Cruz Ana Marques Maia

Logo pela manhã, há quem beba um cálice puro ou misturado com café. É um grogue ou um meio-grogue, conforme seja 0,07 litros ou metade. Caindo a noite, em ambiente de festa, há quem beba misturado com sumo de fruta. É uma poncha. Em qualquer taberna se vê o pau da poncha, mexelote ou caralhinho, um utensílio de madeira com uma extremidade dentada.