Desigualdades: reservar vagas ou incentivar candidaturas de negros e ciganos?

O Brasil tem quotas para negros no acesso à universidade. Nos Estados Unidos as quotas são consideradas ilegais, mas incentiva-se a diversidade e no Reino Unido a origem étnico-racial pode servir de vantagem em situações iguais. Em França há quem escolha candidatos por causa do sítio onde moram. Académicos de várias partes do mundo comentam.

Foto
Miguel Manso

As quotas étnico-raciais no acesso à universidade não são muito aplicadas como tal. Um exemplo entre os países com os quais Portugal está mais familiarizado e que o faz é o Brasil. O regime de quotas existe há 16 anos, mas neste momento cruza os critérios étnico-racial e socioeconómico. Porém, a nível de emprego, há uma lei que reserva 20% das vagas para negros nos concursos públicos, contextualiza Renísia Garcia, coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade de Brasília (UnB).