Da Weasel regressam aos palcos no Nos Alive do próximo ano

Uma década depois do final da banda de hip-hop portuguesa, a “doninha” volta a actuar. O festival deste ano decorreu de 11 a 13 de Julho e teve nos seus palcos The Cure, Jorja Smith, Ornatos Violeta ou Tash Sultana.

Show
Fotogaleria
, PAULO PIMENTA
Carlos Nobre
Fotogaleria
VASCO CéLIO/arquivo
Concerto de rock
Fotogaleria
RUI GAUDENCIO
Fotogaleria
LIONEL BALTEIRO
Fotogaleria
CARLOS LOPES
Fotogaleria
MANUEL ROBERTO
Fotogaleria
VASCO CELIO
Fotogaleria
VASCO CELIO

No último dia do festival Nos Alive – que trouxe este ano a Algés nomes como The Cure, Jorja Smith e Grace Jones – foi anunciado o primeiro nome do cartaz do próximo ano: é a banda portuguesa Da Weasel, que anunciou o seu fim em 2010. O festival de 2020 acontecerá nos dias 9, 10 e 11 de Julho — e é no último dia que a banda de hip-hop actuará. 

“É com muito orgulho que o NOS Alive anuncia uma actuação exclusiva: o regresso dos Da Weasel”, afirmou Álvaro Covões, na presença dos elementos da banda: Carlão (antes Pacman), Virgul, Jay, DJ Glue, Quaresma e Guilherme Silva.

Formados em 1993, os Da Weasel somaram sucessos e tops de vendas nacionais durante 17 anos – tendo sido em Portugal uma das maiores bandas na década de 1990 e 2000.

Em 2009, os Da Weasel tinham já anunciado que fariam uma pausa, depois de muitos anos de concertos e muitos álbuns editados. Tiveram, ao todo, seis álbuns — Dou-lhe com a Alma (1995), 3.º Capítulo (1997), Iniciação a uma Vida Banal - O Manual (1999), Podes Fugir Mas Não Te Podes Esconder (2001), Re-Definições (2004) e Amor, Escárnio e Maldizer (2007) —, um EP e dois DVD ao vivo.

Os Da Weasel destacaram-se por uma sonoridade própria que aliava o hip-hop ao rock cantado em português e as suas músicas alcançaram várias vezes os tops de vendas nacionais. Desde God Bless Johnny — a música que os lançou —, passando por DúiaAgora e para sempre (a paixão)RessacaAdivinha quem voltouDou-lhe com a almaTodagenteDialectos de ternura ou Tás na boa, os Da Weasel — “a doninha” - construíram aos poucos um percurso que os levou ao topo, arrastando atrás de si legiões de seguidores que faziam de cada concerto uma festa única e irrepetível.

O antigo Pacman seguiu a sua carreira a solo como Carlão. Em 2017, depois de um evento falso anunciar “o regresso esperado da banda”, Carlão dizia ao PÚBLICO que tal não aconteceria: “Não, não vai haver regresso. Da parte da banda não houve nenhuma conversa nem existe nenhuma ideia que aponte para esse regresso, mesmo num cenário que preveja um só concerto”. Mas ressalvava que “não dá para dizer que nunca vai acontecer” — como prova agora o cartaz do Nos Alive do próximo ano. 

Ainda que sexta-feira pareça ter sido um dos dias menos concorridos da memória do Nos Alive, a organização do festival referiu que o último dia foi bem mais completo: os bilhetes para o dia 13 de Julho esgotaram. No cartaz deste último dia estão The Chemical Brothers, Smashing Pumpkins, Bon Iver, Tom Walker, Thom Yorke, Idles e George Fitzgerald.