Crítica

Carlos do Carmo em 80 tempos

A Universal dá-nos a ouvir Carlos do Carmo em 80 canções e fados, um por cada ano de vida do cantor. E a escolha, não sendo dele, faz-lhe justiça.

Uma viagem em 80 tempos pela arte vocal e musical de Carlos do Carmo
Foto
Uma viagem em 80 tempos pela arte vocal e musical de Carlos do Carmo Miguel Mansos

Em 2010, quando já se preparavam (para 2013) as comemorações dos 50 anos de carreira de Carlos do Carmo, a Universal avançou com uma edição de uma caixa com dez CD intitulada 100 Canções, Uma Vida, que viria a ser lançada com as chancelas do Museu do Fado (que a apoiou) e do PÚBLICO (que a distribuiu). E ele próprio escolheu as canções e fados aí incluídos, “arrumando-as” por géneros transversais à sua obra: Os poetas, Os compositores, Fados tradicionais, À guitarra e à viola, Com orquestras, Lisboa, etc. Havia um volume dedicado só a Ary dos Santos, outro só com canções de outros países e um gravado ao vivo (no Casino do Estoril). Agora, a partir do mesmo acervo, superior a duas dezenas e álbuns e numerosos singles e EP, a editora apostou numa selecção diferente, assinada por Tiago Palma. São quatro CD, com 20 faixas cada e uma partição aparentemente mais simplista, mas que resulta: As canções, Os fados, Os autores e Os compositores, por esta ordem.