Produção de electricidade da EDP cai 11% no semestre

Produção hídrica na Península Ibérica caiu 50%, devido à hidraulicidade em Portugal 44% abaixo da média no primeiro semestre de 2019

Foto
ADRIANO MIRANDA

A produção de electricidade da EDP caiu 11% no primeiro semestre, para 33.816 gigawatts hora (GWh) face ao período homólogo “devido à forte redução da produção hídrica”, foi hoje comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A produção hídrica baixou 43% no primeiro semestre face ao mesmo período do ano passado, revela o documento.

Segundo a EDP, na Península Ibéria a produção hídrica caiu 50%, devido à hidraulicidade em Portugal 44% abaixo da média no primeiro semestre de 2019, face aos elevados recursos hídricos no segundo trimestre de 2018.

Em contrapartida, a produção eólica aumentou 4% beneficiando da subida de 6% da capacidade instalada, mas penalizada por recursos eólicos 4% abaixo da média no primeiro semestre de 2019 (1% abaixo da média no segundo trimestre de 2019).

Em termos gerais, a capacidade instalada do grupo liderado por António Mexia aumentou 2% nos últimos 12 meses para 27,3 GW, dos quais 74% de fontes renováveis.

“Toda a nova capacidade instalada nos últimos 12 meses corresponde a parques eólicos”, lê-se no comunicado.

Na actividade de comercialização de energia na Península Ibérica, o número de clientes de gás aumentou 0,9%, para 1,554 milhões, enquanto o número de clientes de electricidade baixou em 0,3% para 5,3 milhões, reflectindo um crescimento das ofertas duais (electricidade e gás).

A EDP adianta que o volume de electricidade distribuída no Brasil aumentou 3,8%, suportado pela melhoria do contexto económico, temperaturas acima da média e baixa procura no período homólogo.

Em Portugal, o volume de electricidade distribuído caiu 2%, penalizado por temperaturas amenas, acima da média histórica no primeiro semestre.

Por sua vez, em Espanha, a “redução de 10,9% do volume distribuído está relacionado com uma drástica redução por parte de um grande consumidor industrial”, diz a EDP.