Rússia prepara primeiro desembarque na Lua, 61 anos depois de americanos lá terem ido

Os russos estão à espera que a nave espacial chamada Federação esteja pronta, para poderem fazer o primeiro voo em 2022 — antes da data definida pelos norte-americanos para voltar à Lua.

,Alunagem
Foto
Uma das primeiras pegadas de Buzz Aldrin na Lua, a 20 de Julho de 1969 LUSA/NASA HANDOUT

A Rússia prepara-se para ir à Lua em 2030, 61 anos depois de os Estados Unidos terem ganhado a corrida lunar à União Soviética, que tinha sido pioneira nas viagens espaciais.

A agência espacial norte-americana, a NASA, planeia uma missão tripulada à Lua em 2024 como primeiro passo de um objectivo maior: chegar a Marte. Já a agência russa Roscosmos está desde 2009 à espera que esteja concluída uma nave espacial de nova geração chamada Federação, com capacidade para seis tripulantes, cujo primeiro voo está planeado para 2022.

O projecto da empresa estatal “Energia” tem sofrido sucessivos atrasos e o director-geral da Roscosmos, Dmitri Rogozin, admitiu na rede social Twitter que foi preciso “despedir indolentes” responsáveis por problemas de organização.

PÚBLICO -
NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration (NASA)
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration (NASA) NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - © cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration
© cortesia do arquivo fotográfico da National Aeronautics and Space Administration NASA
PÚBLICO - Capa do fotolivro "Apollo VII - XVII"
Capa do fotolivro "Apollo VII - XVII" teNeues
Fotogaleria

Em 1969, por decreto da liderança comunista, os soviéticos não puderam ver em directo na televisão a chegada à Lua da missão Apolo 11, que levou os astronautas Neil Armstrong, Edwin “Buzz” Aldrin e Michael Collins ao solo lunar, onde ficou hasteada uma bandeira dos Estados Unidos.

“Considero, como considerei na altura, que o nosso povo foi roubado: o voo lunar foi um feito de toda a Humanidade”, afirmou em entrevista à agência Ria Novosti o cosmonauta Alexei Leonov, o primeiro ser humano a fazer uma caminhada espacial.

Leonov, com os outros cosmonautas, foi uma das únicas pessoas na União Soviética a conseguir assistir às imagens da descida do módulo lunar da Apolo 11 e ao desembarque dos astronautas Armstrong e Aldrin. Era o seu nome que estava no topo da lista para a missão lunar soviética, que esteve prevista para acontecer em 1968, mas nunca se realizou.

A missão tripulada à Lua ficou congelada e, oficialmente, o foco passou a estar no envio de veículos automáticos não tripulados. Na verdade, a URSS não tinha na altura um foguetão suficientemente potente e fiável para enviar humanos à Lua.

“Neil Armstrong é um dos heróis, mas não é o mais importante. Eu cresci a ver [o cosmonauta russo] Iuri Gagarin e o passo que o americano deu na Lua foi mais um na conquista do Espaço”, disse à agência Efe o cosmonauta Fiodor Iurshijin, com 60 anos e cinco voos espaciais no currículo.

Iurshijin afirmou que a Lua é “a primeira estação nas viagens interplanetárias tripuladas do futuro” e assinalou que “é um corpo celeste suficientemente grande para ali desenvolver a tecnologia que permita aos seres humanos viver noutro planeta”. O cosmonauta considerou que a cooperação internacional é essencial para desenvolver a investigação, já que “nenhum país tem dinheiro para o conseguir isoladamente”.