Agente da PSP e três cúmplices detidos por tráfico de droga ficam em prisão preventiva

Polícia e dois homens foram detidos no domingo à noite no Montijo quando traziam na bagageira de um carro 125 quilos de haxixe que teriam ido buscar a Espanha.

Carro
Foto
Foram apreendidas quatro viaturas, incluindo as duas em que se deslocavam no domingo e um Mercedes AMG de Bernardino Mota

O agente da PSP segue para a prisão de Évora, os outros três homens ficam no Estabelecimento Prisional de Lisboa. O tribunal de Sintra decretou ao início da noite desta terça-feira a prisão preventiva para Bernardino Mota, que prestava serviço na esquadra de Gondomar, e para os outros três homens que com ele foram detidos por tráfico de droga no domingo à noite (com 125 quilos de haxixe na bagageira do carro) e na segunda-feira de manhã.

Os quatro foram presentes ao juiz só durante a tarde desta terça-feira e este tinha que decidir ainda hoje o que fazer, já que o prazo de 48 horas para poderem estar detidos terminava, para o agente da PSP e dois dos cúmplices, às 23h35 de hoje. A demora para a audiência ficou a dever-se ao facto de os detidos terem acompanhado as seis buscas domiciliárias e duas a garagens e arrecadações que os agentes da PSP do Departamento de Investigação Criminal e do comando do Porto fizeram durante o dia de segunda-feira.

Bernardino Mota, de 43 anos, e dois outros homens (de 34 e 46 anos) foram detidos no Montijo na noite de domingo em flagrante delito quando transportavam 125 quilos de haxixe na bagageira de um Audi A6. Teriam ido buscar a droga ao sul de Espanha e dirigiam-se para casa. Segundo a contagem da PSP, eram 249 mil doses — ou seja, 124,5 quilos. Um quarto elemento foi detido no Porto, na segunda-feira de manhã.

Nas buscas que a PSP fez na segunda-feira na região do Porto, foram apreendidas mais mil doses (500 gramas) de haxixe, 15 mil euros em dinheiro, quatro viaturas (incluindo as duas em que se deslocavam no domingo e um Mercedes AMG de Bernardino Mota) e equipamento para pesagem, corte e dosagem da droga. Crê-se que eram um dos grandes grupos abastecedores de haxixe na região do litoral Norte.

Foi também constituído arguido um quinto elemento, que foi alvo de buscas e está indiciado por tráfico de droga.

A investigação, dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal, durava há 16 meses. Mas antes de estar na mira da Divisão de Investigação Criminal da PSP, o polícia, que já fez serviço na Polícia Municipal e na esquadra de Valbom, fora investigado anteriormente pela Polícia Judiciária, que não avançou. Agora, na operação, além da DIC, participaram os comandos metropolitanos do Porto e de Lisboa, o comando distrital de Faro (por onde o grupo passaria nas idas a Espanha), o Grupo de Operações Especiais e ainda o Corpo Nacional de Polícia espanhol.

Bernardino Mota era, de todos os envolvidos, o único com profissão conhecida, e a investigação revelou que chegou a juntar os dias de crédito pela actividade de delegado sindical às suas folgas para poder fazer viagens a Espanha onde se iria abastecer de droga. O agente da PSP é secretário da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) e fonte da direcção disse ao PÚBLICO na segunda-feira que está já em curso o processo de expulsão de Bernardino Mota.

Sugerir correcção