Quem é Negzzia, a modelo iraniana refugiada em França?

Teve de fugir do seu país depois de terem sido descobertas várias fotografias suas sem roupa. Enfrentava pena de prisão e um castigo de 148 chicotadas.

Irã
Foto
LUSA/YOAN VALAT

Negzzia (nome fictício) tentou alcançar o sonho de ser manequim num país em que a nudez é condenável. A modelo iraniana, de 29 anos, viu-se obrigada a sair do seu país após terem sido descobertas fotografias em que posava nua; e enfrentava uma pena de prisão e um castigo de 148 chicotadas. 

Tudo começou em 2017. Segundo o Le Parisien, Negzzia acusou um fotógrafo de violação e este decidiu tornar públicas as fotografias. Sabendo o que a esperava, fugiu para Istambul, na Turquia, onde arranjou trabalho como modelo. Mas a passagem por Istambul foi curta. “Pintei o cabelo de vermelho e as pessoas gritaram comigo na rua. As mulheres eram as piores, uma até me mordeu”, justifica à agência noticiosa espanhola Efe, a razão da sua saída.

Tomou a decisão de viajar para Paris, onde tinha a promessa de um trabalho. “O meu visto chegou e eu estava feliz, mas o homem (que estava a ajudar a modelo a arranjar emprego) ligou-me e disse: ‘Sabes de uma coisa? Está tudo pronto, mas na primeira semana, quero alugar um quarto de hotel com vista para a Torre Eiffel para passarmos uma semana maravilhosa juntos’”, recorda na mesma entrevista, acrescentando que recusou a proposta e o viu o seu trabalho cancelado. 

Só em Outubro de 2018 conseguiu chegar à capital francesa. Sem trabalho, sem casa e com pouco dinheiro. Sem opções, foi confiando em quem lhe oferecia ajuda. Em vez de encontrar uma sociedade mais aberta, deparou-se com um mundo muito sexualizado, diz. “Todos me expulsavam de casa porque não queria dormir com eles. Um dia diziam que me amavam e, depois, aconselhavam-me a prostituição”, revela. Começou a dormir nas ruas, convencida de que era melhor não dever nada a ninguém.

Só o mês passado conseguiu o estatuto de refugiada, mas nada mudou. As portas continuam a fechar-se, escreve o El País. De acordo com a entrevista à Efe, a modelo gastou parte dos 400 euros mensais que recebe do Estado francês para se inscrever no ginásio e manter a sua forma física. O Instagram é o seu cartão-de-visita. Com 129 mil seguidores, a modelo continua a lutar pelo seu sonho e algumas agências de modelos como The Models Factory ou Martine's Women já começaram a dar-lhe trabalho.