Há quem pague 200 euros por mês em explicações. A “culpa” é dos exames

Professores e investigadores defendem que os exames, que caracterizam o actual modelo de acesso ao ensino superior, são o que alimenta o mercado de explicações. Quem pode pagar tem acesso. Quem não pode fica para trás.

Foto
Goncalo Dias

A despesa mensal de Dulce Ferreira com as explicações de Matemática dos dois filhos ronda os 200 euros. E podia ser mais se a comerciante de pão e de bolos não conseguisse adaptar o seu horário de trabalho para lhes dar apoio nas outras disciplinas — especialmente ao filho mais novo. “O Tiago tem autismo. Cada vez que ele chega a casa, eu deixo tudo para o ajudar”, conta ao PÚBLICO. Mesmo assim, reconhece que o preço a pagar pelo apoio fora da escola exige que se “estabeleça prioridades”. “Não é fácil.”