Grupo restrito de exploradores vai pisar uma ilha inabitável

A viagem à ilha escocesa de Skye terá a duração de sete dias e inclui uma visita de 20 minutos a Rockall, um remanescente vulcânico.

Rockall
Foto
Reuters

Uma agência de viagens está a organizar uma excursão a uma ilha escocesa, a Ilha de Skye, durante sete dias, com um preço de 1595 libras por pessoa (cerca de 1800 euros). Em Maio de 2020, 18 turistas embarcarão numa viagem – que esgotou em poucos dias – que inclui uma visita a Rockall, um remanescente vulcânico desabitado que fica a 260 milhas a oeste das Ilhas Hébridas da Escócia.

Os 25 viajantes, tripulação incluída, usarão roupas de mergulho, botas e dispositivos de flutuação antes da subida a Rockall, onde permanecerão entre 15 a 20 minutos.

A agência de viagens Lupine Travel, sediada em Wigan, Manchester, está a organizar a expedição com a ajuda de Nick Hancock, um aventureiro que passou 45 dias em Rockall, no Verão de 2014, isolado da civilização.

Nick Hancock, a viver actualmente em Edimburgo, admitiu que esta “é uma viagem única na vida”. “É muito improvável que se encontre alguém que a tenha realizado”, sublinha. Para este viajante, o principal problema é o facto de não se poder andar muito. Além disso, “há geralmente muitos excrementos de pássaro, o que torna o local escorregadio e fedorento e, com o mar e os ventos, pode ser um lugar muito sombrio e frio”. Contudo, referiu, “a aventura está no risco de chegar à ilha”.

A empresa de viagens é conhecida pelos passeios para destinos desafiadores, como Chernobyl e a Coreia do Norte. Um dos organizadores, James Finnerty, acredita que esta viagem “é uma aventura”, apesar de “depender das condições meteorológicas”. “O Nick vai ser o nosso guia. É absolutamente fantástico o facto de o termos nesta viagem”, acrescentou.

PÚBLICO -
Foto
Nick Hancock passou 45 dias em Rockall, no Verão de 2014, isolado da civilização. DR

O responsável explicou ainda que passou cerca de dois anos a organizar a viagem e que há diversos motivos para as pessoas visitarem locais de difícil localização. “Existem tantas coisas que costumavam ser difíceis de fazer e que agora são simples. Ir para aos Estados Unidos ou à Austrália ainda é caro, mas não é tão exótico quanto já foi. Há muitas pessoas que realmente gostam de ir a um lugar novo, o que nos leva a realizar estas expedições originais”, concluiu.

Reivindicada em 1955 pelo Reino Unido, Rockall foi incorporada como parte da Escócia em 1972, algo que tem sido contestado ao longo dos anos pela Irlanda, Dinamarca e Islândia. Em Abril deste ano, o governo escocês alertou que seriam tomadas medidas de segurança contra qualquer embarcação irlandesa vista a 12 milhas náuticas da ilha do Atlântico Norte.