Futre para João Félix: “Público do Atlético é mais paciente do que o do Real Madrid”

Antigo futebolista admite ao PÚBLICO que João Félix será sujeito a alguma pressão, mas acredita que o jovem deixará a sua marca na capital espanhola e terá a compreensão dos madrilenos, caso as primeiras prestações não sejam as esperadas.

Foto
Paulo Futre foi um dos convidados para a apresentação de João Fèlix LUSA/Juan Carlos Hidalgo

Se recuássemos no tempo 32 anos, a transferência milionária a reunir todas as atenções mediáticas também envolveria um clube português e o Atlético de Madrid. Antes de João Félix, Paulo Futre, campeão europeu pelo FC Porto, com 21 anos, trocava a Invicta pela capital espanhola, naquela que, na altura, seria a segunda transferência mais cara da história do futebol mundial.

O valor? Foram 500 mil contos (cerca de 2,5 milhões de euros) que, naquela época, era uma pequena fortuna a pagar pelo passe de um jogador. Ao PÚBLICO, Paulo Futre traça um paralelo directo entre as transferências, reforçando a crença de que João Félix figurará, também, nos anais da história “colchonera”.

“Foi igual quando cheguei aqui. Estas dúvidas [sobre um eventual preço exagerado da transferência] podem acabar já na sétima jornada, frente ao Real Madrid. Também existiam quando vim para a Espanha e, precisamente depois da nossa vitória no Santiago Bernabéu, por 0-4, a imprensa espanhola mudou de argumento e disse: ‘Como é que ele foi tão barato e escapou a Real Madrid e a Barcelona?’. O João Félix só pode responder dentro do campo, mas, mais tarde ou mais cedo, acabará com elas”, adianta.

Futre foi um dos convidados do clube madrileno para a apresentação do novo “camisola sete” do Atlético de Madrid, que teve lugar esta segunda-feira. Apesar de admitir que a pressão para João Félix apresentar boas prestações será elevada, dados os 126 milhões de euros desembolsados pelos espanhóis, o antigo futebolista acredita que o internacional português terá maior espaço de manobra do que se estivesse no rival de Madrid.

“Sem dúvida que existirá pressão. Mas, para mim, é um público que, para além de exigente, tem mais paciência do que o do Real Madrid. Também reconhecem que é um miúdo de 19 anos, que se as coisas não estiverem a sair bem ao princípio vão sempre animá-lo. Penso que terá o povo na mão logo no início, mas se não for assim terá essa compreensão”, explica. 

Para além de João Félix, o Atlético de Madrid também levou para a capital dois jogadores do FC Porto: o central brasileiro Felipe, que os “dragões” venderam por 20 milhões de euros, e o mexicano Hector Herrera, que saiu dos “azuis e brancos” a custo zero. Para Futre — e apesar de o orçamento “ainda continuar muito distante” do dos rivais —, a Liga dos Campeões é um dos objectivos principais do Atlético de Madrid, que procurará fazer frente a Real e Barcelona no campeonato espanhol, prova que escapa aos “colchoneros” desde 2014.