Estremoz vai ter um hotel de charme com assinatura de Siza Vieira

“Este é um projecto estruturante para a parte alta da cidade”, revela a empresa que adquiriu o edifício classificado como monumento nacional.

Foto
Paulo Pimenta

Um hotel de charme vai “nascer” num edifício classificado como monumento nacional, na zona do castelo de Estremoz, no distrito de Évora, com projecto do arquitecto Siza Vieira, revelou o sócio-gerente da empresa promotora.

Jorge Godinho adiantou à agência Lusa que a empresa adquiriu o imóvel, a antiga Casa da Câmara ou Casa do Alcaide-Mor, que está em ruínas há várias décadas, para ser transformado num hotel.

Construído no século XV, o edifício, situado na Rua do Arco de Santarém e classificado como monumento nacional a 20 de Junho de 1924, foi adquirido em hasta pública à Câmara Municipal de Estremoz.

O projecto de arquitectura do hotel está a ser elaborado por uma equipa que integra os arquitectos Álvaro Siza Vieira e Carlos Castanheira. Segundo o mesmo empresário, “há intenção de começar as obras no início de 2020”.

A empresa Barrocas Turismo e Lazer já adquiriu também os imóveis do quarteirão, desde a antiga Casa do Alcaide-Mor até à Capela da Rainha Santa Isabel.

Jorge Godinho explicou que o projecto envolve duas partes distintas, a construção de um pequeno hotel de charme, só dotado de suítes, na antiga Casa do Alcaide-Mor, enquanto as outras casas vão ser transformadas em habitações turísticas, com a designação de villas, usufruindo os hóspedes de todos os serviços do hotel.

Para o avanço do empreendimento turístico, “o investimento é significativo”, disse o empresário, escusando-se a indicar o valor.

“Este é um projecto estruturante para a parte alta da cidade, junto ao castelo, procurando dar uma solução de qualidade para os imóveis e contribuir para a revitalização de toda aquela zona histórica de Estremoz”, realçou.

Segundo Jorge Godinho, até ao final deste mês vai ser feita uma apresentação pública do projecto, em colaboração com a Câmara Municipal de Estremoz.

Sugerir correcção