Costa assume ter sido convidado para cargos de topo da União Europeia

“Eu não sou candidato a nada, a não ser às funções que exerço em Portugal”, garantiu António Costa.

"Eu não sou candidato a nada a não ser às funções que exerço em Portugal", asseverou António Costa
Foto
"Não tenciono desertar de Portugal", disse António Costa LUSA/OLIVIER HOSLET

O primeiro-ministro, António Costa, assumiu esta terça-feira ter sido convidado para exercer um dos cargos de topo da União Europeia, tendo recusado por estar “exclusivamente” dedicado ao seu compromisso com Portugal e os portugueses.

“É sabido que sim”, respondeu sucintamente o primeiro-ministro ao ser questionado sobre se teria sido convidado para desempenhar um dos cargos incluídos no “pacote” fechado nesta terça-feira pelo Conselho Europeu. Escusando-se a entrar em pormenores, António Costa recordou que o seu compromisso é “com os portugueses, com Portugal e em Portugal nos próximos anos, exclusivamente”.

“Já disse o que tinha a dizer várias vezes sobre essa matéria. Não tenciono desertar de Portugal. Estou muito empenhado em continuar a fazer aquilo que tenho vindo a fazer, como aliás está provado”, reforçou.

O primeiro-ministro tinha anteriormente declarado não ser candidato “a nada” na hierarquia europeia. Questionado então pelos jornalistas sobre notícias na imprensa internacional, designadamente no Financial Times, que o apontavam como eventual candidato-surpresa à sucessão de Donald Tusk como presidente do Conselho Europeu, António Costa afirmou que tal “é muito elogioso”, mas disse que, “seguramente”, não seria candidato na “guerra dos tronos da União Europeia”.

“Eu não sou candidato a nada, a não ser às funções que exerço em Portugal”, asseverou, sublinhando estar “muito concentrado” no seu trabalho em Portugal.

Na altura, Costa voluntariou-se para ser parte “activa na decisão de qual devia ser a equipa dirigente da UE a seguir às eleições europeias”, uma disponibilidade que o levou a ser, juntamente com o presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, o negociador dos socialistas europeus nas discussões entre aquela família política, o Partido Popular Europeu e os liberais sobre as nomeações para os cargos de topo da União Europeia.

Sugerir correcção