Caso Alcochete: Engano dos serviços prisionais interrompeu instrução

Arguidos detidos foram enviados para o Montijo quando a fase de instrução decorre em Lisboa por motivos logísticos.

Foto
LUSA/MÁRIO CRUZ

O início da fase de instrução do processo sobre o ataque à Academia do Sporting, em Alcochete, foi esta segunda-feira interrompida devido a um engano dos serviços prisionais, que transportaram os arguidos para o Montijo e não para Lisboa. Os trabalhos já foram retomados após pausa para almoço, relata o Expresso.

O processo, cujos factos remontam a 15 de Maio de 2018, pertence ao Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Barreiro, mas, por razões de logística e de instalações, esta fase instrutória vai decorrer na nova sala do edifício A do Campus da Justiça, no Parque das Nações, na presença de jornalistas.

Após dois adiamentos e apesar de enfrentar um novo pedido de escusa por parte de um advogado, o juiz Carlos Delca decidiu avançar com as diligências, declarando o carácter “de natureza urgente” do processo, uma vez que o prazo para a conclusão da instrução é 21 de Setembro, e alegando que aquela é uma “forma hábil de empatar o tempo” por parte dos arguidos.

O ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho fez-se representar na sessão pelo advogado Miguel Fonseca, que se opôs à presença da comunicação social na sala, ao que se seguiram mais requerimentos alegando a nulidade do início da fase da instrução, devido à impossibilidade de comparência dos arguidos presos preventivamente.

A procuradora do Ministério Público Cândida Vilar contestou o requerimento do advogado de Bruno de Carvalho, manifestando surpresa devido ao facto de o antigo presidente do Sporting realizar “entrevistas sucessivas” a vários órgãos de comunicação social.

A sessão acabou por ser interrompida para almoço, aquando do anúncio do engano dos serviços prisionais, que transportaram para o estabelecimento prisional do Montijo os quatro arguidos que deviam ser ouvidos, pensando que a sessão teria lugar no Tribunal do Barreiro, onde decorreram os primeiros interrogatórios judiciais.

Durante a tarde, terá início a fase de instrução, em que está previsto serem ouvidos quatro arguidos da invasão à Academia do Sporting, em Alcochete, sendo eles Hugo Ribeiro, Celso Cordeiro, Sérgio Santos e Elton Camará. Bruno de Carvalho só será ouvido na quarta-feira.

Sugerir correcção