Linha de apoio psicológico aos polícias desligada

O presidente do Sindicato Nacional da Polícia, Armando Ferreira, exigiu já a demissão do Director Nacional da PSP. Situação revelada depois de vários agentes de uma esquadra na Madeira tentarem pedir apoio psicológico.

Foto
Presidente do Sindicato Nacional da Policia diz que Director Nacional da PSP, Luís Farinha, não tem condições para continuar no cargo LUSA/ANTÓNIO COTRIM

A SOS Linha Verde 24 horas Urgência, uma linha de apoio psicológico aos polícias, cujo o número é 800 21 23 12, tem estado desligada.

O presidente do Sindicato Nacional da Polícia, Armando Ferreira, considerou a situação grave e exigiu já a demissão do Director Nacional da PSP.

Armando Ferreira explicou que teve conhecimento de que a linha não funcionava através de agentes de uma esquadra na Madeira, e que depois testou ele próprio e verificou a inactivação.

“Fui hoje [esta segunda-feira] contactado por agentes da esquadra que tentaram ligar”, disse, sublinhando que os agentes viveram uma situação complicada durante o fim-de-semana e sentiram necessidade de recorrer à linha.

“Um dos agentes tentou suicidar-se na esquadra na madrugada de sábado para domingo. Está em coma”, contou Armando Ferreira, que lamenta o facto de os agentes precisarem de ajuda psicológica e não terem.

De acordo com o Presidente do Sindicato Nacional da Polícia, “os psicólogos da Polícia terão informado o Director Nacional que a situação estava incomportável, uma vez que não eram remunerados para fazer um atendimento 24 horas”.

“Esta linha existe há 19 anos e serve para dar apoio aos polícias e tentar desincentivar situações limite. O Director Nacional da PSP deixou isto acontecer e não tem condições para continuar no cargo”, afirma.

O PÚBLICO já contactou o Gabinete de Imprensa da PSP, que explicou que “durante o dia de ontem [domingo], 30 de Junho, ocorreu uma situação de tentativa de suicídio de um polícia (...), tendo sido accionados todos os meios de socorro para o local, sendo a vítima transportada para o Hospital (...), onde se encontra sob prognóstico muito reservado”.

Foi referido ainda que “de imediato a Direcção Nacional da PSP determinou que, além de outros mecanismos previstos para este tipo de situações, a Divisão de Psicologia entrasse em contacto com o Comando Regional da Madeira para prestar todo o apoio necessário neste capítulo”. E que “o próprio director da Divisão de Psicologia se encarregou do caso e prestou todo o apoio útil e necessário durante o decorrer da situação” e que “já durante esta manhã, a Direcção Nacional determinou o embarque de um psicólogo da PSP para o Funchal, para prestar, in loco, o apoio psicológico necessário, o que deverá acontecer nas próximas horas”.

Sobre a linha de apoio psicológico aos policias, a PSP informa que “o número 800212312 encontra-se activado, mas com um problema de ligação, o qual a PSP está a tentar resolver no mais breve espaço de tempo possível”.