Carla e Rui vão dar uma volta ao mundo — e querem alertar para as alterações climáticas

Durante 14 meses, vão explorar a Indonésia, a Papua Nova Guiné e, depois, “circum-navegar o planeta Terra” e visitar ilhas do Pacífico que estão ameaçadas.

,Viagem
Foto

Viajam juntos há mais de 12 anos e agora querem “descobrir o mundo com o coração”. Para Carla Mota e Rui Pinto bastou um interrail para começarem a viajar sempre que tinham férias. O desejo de dar a volta ao mundo “há muito” que existia, conta Carla. A pôr dinheiro de parte para viajar desde 2012, optaram por se aventurar este ano, depois de conseguirem uma bolsa de exploração da Nomad e da Momondo, que tinham que pôr em prática em 2019 ou 2020. “Foi o pontapé que precisávamos que alguém nos desse”, admite Carla.

Quatro meses na Indonésia, seguida da Papua Nova Guiné e, por fim, “circum-navegar o planeta Terra”, “andando sempre para leste” para, depois, voltar a Portugal — este é o plano delineado pelo casal de professores, a trabalhar em Guimarães, que optou por licença sem vencimento para poder explorar o mundo. Entre Julho de 2019 e Agosto de 2020, serão cerca de 14 meses com foco no Pacífico. “Queremos muito visitar uma série de ilhas no Pacífico que sabemos que estão ameaçadas”, sublinha Carla, doutorada em Geografia Física e especialista em Geomorfologia Glaciar e Alterações Climáticas.

PÚBLICO -
Foto

O ambiente é uma “paixão” — e “perseguir lugares com os dias contados” também. Para os autores do blogue Viajar entre Viagens, “usar os destinos” para onde viajam “de forma positiva” para “alertar e sensibilizar as pessoas” é “muito importante”. “Temos esse cuidado em termos sociais e em termos ambientais”, acrescenta Carla.

O fogo, a terra, o ar e a água da Indonésia

O casal actua do ponto de vista social, cultural e histórico, sem nunca esquecer a tolerância social e o respeito pelas minorias. Por isso, vão desenvolver um projecto durante a viagem — o “4 elementos”. O fogo, a terra, o ar e a água estarão associados a quatro tribos diferentes da Indonésia, com quem Carla e Rui viverão durante uma semana diferente. O objectivo? Estudar o modo de vida de cada tribo e analisá-las em termos estatísticos.

A tribo ligada ao elemento fogo é uma “comunidade mineira”, na ilha de Java, onde as pessoas, desde cedo, “trabalham dentro dos vulcões a tirar enxofre” — é um tipo de profissão “que passa de pais para filhos”. “Os vulcões estão activos e fazem extremamente mal à saúde”, alerta Carla.

PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

O elemento ar é representado por uma família, na ilha Sulawesi, “que conserva os mortos em casa”. Como são populações pobres e os funerais são muito caros, “juntam dinheiro até terem o suficiente para dar um funeral condigno à pessoa”, explica. “Há imensas famílias que tratam os mortos como se fossem pessoas normais: penteiam-nos de manhã, sentam-nos à mesa para comer, levam-nos à rua a passear. Os corpos estão praticamente mumificados”, clarifica a docente.

A região das Molucas, conhecida pelas especiarias, representa o elemento terra. “As ilhas estão praticamente abandonadas e, do que temos investigado, as especiarias deixaram de se produzir lá”, diz Carla. O objectivo é perceber quais as “tradições que ainda persistem” numa região “que ficou abandonada no tempo” e onde as pessoas deixaram de ter uma “importância comercial no mundo mercantil”.

A tribo da Papua, que ainda vive ao “ritmo da água das chuvas”, simboliza o último elemento — a água. “Estão no meio da floresta, não têm qualquer tipo de condutas de água e é da chuva que fazem todas as coisas que precisam de água para ser feitas”, conta.

O projecto “4 elementos” é apenas uma parte de uma viagem que Carla descreve como um “pesadelo” de se organizar. “Estamos a programar esta viagem desde Janeiro e parece que está quase tudo por preparar”, brinca. A parte “mais difícil” é gerir o orçamento, mas — e por isso — Carla e Rui já se asseguraram: voos comprados até Junho de 2020 e roteiro planeado até Agosto do próximo ano. “Vamos viajar de barco entre ilhas do mesmo país e de avião entre diferentes países”, sublinha.

A iniciar a maior viagem que já fizeram dentro de pouco tempo, a motivação é só uma: “este mundo maravilhoso que a gente tem”. O “desconhecido”, o “inóspito”, a “sede insaciável de conhecer o mundo” — tudo para “enriquecimento pessoal” e, claro está, para partilhar com quem os lê.

Com o blogue Viajar entre Viagens, Carla e Rui já foram premiados na Feira Internacional de Turismo de Madrid e na Bolsa de Turismo de Lisboa. São também autores do livro Próximo Destino — Viagens de Sonho à medida da sua carteira.

PÚBLICO -
Foto