Torne-se perito

System Crasher na ficção e Gods of Molenbeek no documentário vencem o FEST

Born in Evin, da iraniana Maryam Zaree, conquistou uma menção honrosa na categoria principal e o Prémio do Público Cineuropa. O Grande Prémio Nacional foi para a curta-metragem No Limiar do Pensamento, de António Sequeira.

Fotogaleria
System Crasher, de Nora Fingscheidt DR
Fotogaleria
Gods of Molenbeek, de Reetta Huhtanen DR
Fotogaleria
No Limiar do Pensamento, de António Sequeira DR

Os principais vencedores do 15.º FEST - Festival Novos Realizadores Novo Cinema, que terminou este domingo em Espinho, são a longa-metragem de ficção System Crasher, da alemã Nora Fingscheidt, e o documentário Gods of Molenbeek, da finlandesa Reetta Huhtanen.

O primeiro desses filmes recebeu o Lince de Ouro pela sua abordagem à situação de uma menina que é confiada ao sistema de protecção de menores e enfrenta as lacunas do serviço quando evidencia episódios psicóticos motivados por um trauma profundo; o segundo foi distinguido com a mesma estatueta por uma história que confronta a infância de dois rapazes de um bairro de Bruxelas com o contexto adulto da actividade jihadista.

Ainda no que se refere à competição de longas-metragens, o júri atribuiu também uma menção honrosa a Born in Evin, em que a própria realizadora e actriz iraniana Maryam Zaree regista a sua busca pessoal para descobrir as circunstâncias reais do seu nascimento naquele que continua a ser um dos principais estabelecimentos para presos políticos a nível mundial.

O mesmo filme recebeu igualmente o Prémio do Público Cineuropa para melhor longa-metragem, enquanto a escolha dos espectadores ao nível das curtas recaiu sobre Daughter, da realizadora polaca Mara Tamkovich, que, por altura da campanha #MeToo, aborda a reacção de um pai à inadequação do sistema judicial depois de a sua filha de 16 anos ter sido vítima de um violento ataque físico.

Outros prémios nas categorias internacionais foram os Linces de Prata de Melhor Curta-Metragem para Mistérios da Carne, da brasileira Rafaela Camelo, na categoria de ficção, e para Liminaali & Communitas, da finlandesa Laura Rantanen, enquanto melhor short documental.

Já na rubrica específica de filmes experimentais, o Lince foi para Bloom, do francês Emannuel Fraisse, e, na de animação, para You are overreacting, da polaca Karina Paciorkowska. Houve ainda menções honrosas para as curtas 023_Greta_s, da alemã Annika Birgel; The Handover, do também alemão Leonhard Hofmann; The Dam, da polaca Natalia Koniarz; e Applesauce, do austríaco Alexander Gratzer.

A competição exclusiva para realizadores portugueses, por sua vez, integrou apenas curtas-metragens e, das 15 obras avaliadas pelo júri, a que mereceu o Grande Prémio Nacional foi No Limiar do Pensamento, de António Sequeira. A estreia deste realizador no FEST destacou-se pelo seu retrato de um adolescente que, sonhando com a ida para a universidade, é diagnosticado com esquizofrenia, o que resulta num intenso drama familiar protagonizado por Paula Lobo Antunes e Afonso Lopes. A obra foi financiada por municípios do Vale do Sousa e contou com a parceria da Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental e da Secção Regional do Norte da Ordem dos Enfermeiros

Ainda na competição portuguesa, o júri atribui uma menção honrosa a Teus Braços, Minhas Ondas, de Débora Gonçalves.

Quanto à categoria NEXXT, que distingue o Melhor Filme Académico, o vencedor foi Elephantfish, da belga Meltse Van Coillie, mas também foram atribuídas menções honrosas a Adjournment, de Nina Marissiaux, igualmente da Bélgica, e a Sister, uma co-produção sino-americana dirigida pela chinesa Siqi Song.

O FEST atribuiu ainda três versões do Prémio do Público FESTinha, que é decidido por centenas de crianças e jovens espectadores, todos eles na mesma faixa etária do público-alvo a que os filmes que avaliam se destinam. Na secção Sub-10, ganhou The Ape Man, do belga Pieter Vandenabeele; na rubrica Sub-14, Birthplace, uma produção indonésia da dupla Sil van der Woerd e Jorik Dozy, radicada na Holanda e em Singapura; e na modalidade Sub-18, Like, da realizadora, produtora e figurinista americana Scilla Andreen.

A 15.ª edição do FEST começou a 24 de Junho e apresentou em vários espaços de Espinho 257 filmes em competição e ainda várias actividades paralelas, como sessões panorâmicas, filmes ao ar livre, concertos, uma feira do livro sobre cinema e demonstrações de realidade virtual. Além de sessões de pitching para profissionais e debates sobre a actualidade da indústria, o evento contou ainda com um programa de formação que envolveu cerca de 800 participantes de diferentes países.

Lusa/Fim

Sugerir correcção