Fu Yu, a desconhecida que deu ouro a Portugal. “A minha mãe joga ténis de mesa aos 70 anos”

Ainda na China, começou aos sete anos a praticar o desporto. Em 2001 veio jogar para Portugal, mas só em 2013 se naturalizou e começou a competir pelo país. Quem é Fu Yu, a portuguesa que esta semana conquistou a medalha de ouro na prova feminina de ténis de mesa dos Jogos Europeus?

Fotogaleria
Fu Yu conquistou o ouro para Portugal nos Jogos Europeus, em Minsk REUTERS
Fotogaleria
Fu Yu conquistou o ouro para Portugal nos Jogos Europeus, em Minsk REUTERS
Fotogaleria
Fu Yu conquistou o ouro para Portugal nos Jogos Europeus, em Minsk REUTERS
Fotogaleria
A adversária da portuguesa, a alemã Han Ying REUTERS
Fotogaleria
Fu Yu conquistou o ouro para Portugal nos Jogos Europeus, em Minsk REUTERS
Fotogaleria
Fu Yu conquistou o ouro para Portugal nos Jogos Europeus, em Minsk REUTERS
Fotogaleria
Fu Yu conquistou o ouro para Portugal nos Jogos Europeus, em Minsk REUTERS

Nasceu na China em 1978, passou por Espanha (em 1997) e chegou a Portugal pouco depois – isto tudo sem deixar de jogar ténis de mesa. Já lá vão 33 anos a jogar. Em Minsk, a portuguesa Fu Yu conquistou esta quarta-feira a medalha de ouro na prova feminina de ténis de mesa dos Jogos Europeus, depois de vencer a alemã Han Ying, por 4-2.

Fu Yu nasceu em Hebei, na China, em 1978, e aos sete anos já estava de raquete e bola na mão, num país onde a modalidade é um dos desportos mais populares. O ténis de mesa tornou-se uma paixão desde criança, mas só aos 12 anos se tornou jogadora profissional. “Na China é de manhã à noite a treinar, um bocadinho como o futebol aqui”, diz a atleta medalhada em conversa telefónica com o PÚBLICO.

Depois de uma passagem breve pela China, foi convidada para vir jogar para Portugal: esperava-a o Grupo Desportivo do Estreito, clube madeirense que a contratou em 2001. “Perguntaram-me se queria vir jogar para Portugal e eu aceitei. Nunca mais saí. Entretanto conheci o meu marido, que é madeirense, o que ainda contribuiu mais para ficar por aqui”, conta Fu Yu.

Só se naturalizou portuguesa em Agosto de 2013, mas poucos anos depois já se tinha tornado na primeira mesa-tenista nacional a conquistar uma medalha numa prova internacional (os Europeus realizados em Scwechat, na Áustria). “Como foi ganhar? Foi jogar o jogo até ao fim. Quando me perguntam como me sinto nestas situações, nunca sei o que responder. Fiquei contente, claro, mas não sei dizer ou explicar a sensação”, afirma.

Na final, Fu Yu defrontou a alemã Han Ying. “Era uma jogadora muito defensiva, e era a número um europeia há uns anos. Já joguei com ela seis ou sete vezes e nunca a tinha vencido. Mesmo assim não estava a pensar ‘tenho que ganhar a todo o custo’, estava com paciência e tranquila durante o jogo.”

O normal na China: jogar ténis de mesa

Antes desta medalha de ouro, Fu Yu já tinha representado Portugal em 2015 na primeira edição dos Jogos Europeus, disputados em Baku, Azerbaijão, e no Campeonato da Europa, onde conquistou a medalha de bronze. Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016 foi 33.ª classificada. E em 2017 fez parte da selecção portuguesa que acabou o Europeu por equipas no 8º lugar.

Como se compara a realidade do ténis de mesa em Portugal com a da China? Não se compara, responde. “Na China muita gente joga, é o normal, desde as crianças até aos mais velhos com 60, 70, e por aí. A minha mãe, por exemplo, tem 70 anos e ainda joga, ela gosta...”, conta a mesa-tenista. “Não consigo explicar o gosto dos chineses pelo ténis de mesa, mas acho que é pelo jeito. Temos jeito para o ténis de mesa, e os portugueses para o futebol.”

Sobre o ténis de mesa em Portugal, a atleta nota que “há pouca gente a jogar, não chega”. “Acho que cada vez mais há menos jogadores, quando vim para a Madeira havia mais clubes a apoiar o desporto e a investir em jogadores. Hoje somos cada vez menos”, lamenta. Espera, contudo, que a sua vitória incentive os mais jovens a jogar. “Quando me perguntam se acho que a minha vitória vai incentivar mais jovens a jogar, eu digo que espero que o faça, porque há muito pouca gente a falar e a praticar o desporto.”

A medalha agora conquistada foi um bilhete de entrada para os Jogos Olímpicos de 2020, os segundos em que Fu Yu participará a representar Portugal. “É sempre bom conseguir qualificar-me, principalmente um ano antes de a competição acontecer. Fico mais descansada e tenho mais tempo para me preparar, não tenho de andar a jogar à pressa para conseguir subir no ranking”, diz.

Para a atleta, que confessa não estar ansiosa para a competição, o maior apoio tem sido a presença do marido. “Como não há muita gente a jogar, treino sempre com o meu marido, que também faz o papel de meu treinador, e duas ou três vezes por semana faço treino físico.”

Todos os meses há uma competição diferente e antes dos Jogos Olímpicos Fu Yu ainda competirá no Open Mundial na Coreia do Sul, já no início do próximo mês, e no Open da Austrália, alguns dias depois. “Amanhã [esta sexta-feira] já vou a caminho da China para outra competição”, revela. “O que me vale é o meu marido que me treina, faz de meu motorista e ainda me motiva para continuar.”