Valor das acções da H&M sobem à medida que as vendas do início do Verão crescem

A segunda maior empresa de venda a retalho no mundo da moda, atrás da Inditex, proprietária da Zara, informa que o crescimento das suas vendas subiu de 5% para 12% em Junho

O executivo sueco na apresentação de contas da marca, em Estocolmo
Foto
O executivo sueco na apresentação de contas da marca, em Estocolmo Reuters/TT News Agency

O grupo de moda sueco H&M divulga que as vendas das colecções de Verão começaram bem e que isso tem como consequência a diminuição do número de lojas físicas a abrir, uma vez que os consumidores começam a comprar mais online. Este arranque nesta estação teve como consequência o aumento do valor das suas acções em 10%.

A segunda maior empresa de venda a retalho no mundo da moda, atrás da Inditex, proprietária da Zara, informa que o crescimento das suas vendas subiu de 5% para 12% em Junho, o primeiro mês do terceiro trimestre fiscal. Tal superou as expectativas dos analistas, bem como a subida de 10% registada pela Inditex nas seis semanas desde o início de Maio.

O presidente-executivo da empresa, Karl-Johan Persson, disse à Reuters que a chegada do clima mais quente à Europa ajudou às vendas. Os mercados do norte da Europa, onde o clima excepcionalmente frio deu lugar a uma onda de calor, levou os consumidores às lojas. Além disso, a forma rápida como a empresa está a responder à procura também ajudaram ao aumento de vendas, acrescentou. “É, em parte devido a factores externos, mas também fazemos as coisas melhor do que há um ano”, disse.

A H&M também avança que vai cortar nas aberturas de novas lojas físicas, já que está a investir mais em recursos digitais. Persson disse que não haverá novas aberturas sobretudo na Europa, mas também nos Estados Unidos e na China. Assim como fecharão lojas, o que contribuirá para que a empresa apresente melhores contas. O que está a ser bem visto pelo mercado bolsista.