Portugal em Paris, pela internacionalização do lifestyle nacional

Evento uniu, pela primeira vez, as principais entidades da moda nacional: ModaLisboa e Portugal Fashion

Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão
Fotogaleria
Pedro Moura Simão

O projecto Showcase Moda Portugal regressou a Paris para uma segunda edição onde estiveram presentes 30 marcas portuguesas para divulgar o que de melhor se faz entre portas. Este evento uniu, pela primeira vez, as principais entidades da moda nacional: ModaLisboa e Portugal Fashion.

No Showcase Moda Portugal participaram marcas de vestuário como Baccus, Frenken, Impetus, Inimigo, Maria by Fifty e Unilopes; de acessórios e lifestyle como Aalmavina, Branco_Chá, Rita GT, Thomas Mendonça, Vandoma e Westmister; e calçado como As Portuguesas, Undandy e Wolf and Son. A moda de autor esteve representada pelos criadores Constança Entrudo, David Catalán, Hugo Costa, Inês Torcato, Kolovrat e Luís Carvalho. O objectivo: divulgar o lifestyle português.

“Quando entramos numa loja não vemos só roupa. Vemos toda uma mensagem, toda uma estética. E nós aqui quisemos criar essa experiência sensorial, de descoberta do que é Portugal. Tivemos cuidado de ter um catering também português, de ter um grupo português [Fred, dos Orelha Negra que tocou no evento)”, explica Marlene Oliveira, responsável pela estratégia de internacionalização do Centro de Inteligência Têxtil (CENIT), ao PÚBLICO.

O secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, marcou presença no evento que se realizou terça-feira ao final da tarde, em Paris, e reforçou as vantagens da união das associações para a representação da moda portuguesa no estrangeiro. “O que temos de garantir é que aquilo que fizemos hoje se vai repetir muitas vezes. As associações não existem para se servirem a si próprias, existem para servir os criadores e os designers e um criador e um designer português tem de poder estar na ModaLisboa, e em Paris com o Portugal Fashion. Tem de poder estar aqui com a ModaLisboa em Paris e a seguir estar com o Portugal Fashion em Florença”, defende.

Também Eduarda Abbondanza, presidente da Associação ModaLisboa e responsável pela curadoria desta edição do Showcase Moda Portugal, considera que esta acção conjunta é um passo importante para a internacionalização da moda portuguesa. “Se queremos não subir degraus, mas galgar patamares, que é aquilo que está pela frente, tem de ser assim. E há muitos sectores que já estão a fazer isso e estão a ter resultados muito bons”, acrescenta aos jornalistas no decorrer do evento. “Temos de estar em conjunto porque, internacionalmente, a maneira como nos lêem é outra”, continua.

Apesar da intenção de Eduarda Abbondanza em manter a união dentro e fora de portas, a presidente da Associação ModaLisboa afirma que não haverá uma Semana da Moda única no país. “Nós temos de observar as geografias. Lisboa tem uma geografia muito própria e o Porto também. O Porto tem indústria, tem as marcas da indústria e vai ter de responder porque o dinheiro vem por essa via. Lisboa tem um lado mais cosmopolita, não tem indústria, tem menos verbas mas também o seu posicionamento é outro e como tal não vai haver uma semana única”, justifica.

Para Marlene Oliveira, do CENIT, eventos como este têm impacto na notoriedade das marcas: “Isto é um projecto colectivo de promoção de imagem, que não terá retorno comercial no imediato, mas acreditamos que estas acções promocionais conjugadas com outras que o CENIT e a Associação Nacional das Indústrias de Vestuário ​(ANIVEC) organizam de carácter mais internacional, como a presença em feiras internacionais, que tudo isto concorra para a mesma promoção de Portugal e claro, que se converta em vendas e aumento das exportações.”

Mas a portugalidade presente no design e também no ambiente criado para o evento não é só para inglês ver. “Temos de reeducar o consumidor português. Aquela ideia de que nós só gostamos do que é estrangeiro e das grandes marcas, e que o design português é caro, tudo isso é um mito. Nós fazemos promoção junto dos públicos especializados internacionais, mas o feedback depois regressa a Portugal e vai ajudar a mudar essa sensibilidade para os produtos portugueses”, conclui Marlene Oliveira.

O PÚBLICO viajou a convite do CENIT

Sugerir correcção