O arquitecto do BCE agora faz parte da oposição

Em 1999, quando nasceu o euro, aquilo que Otmar Issing pensava era determinante nas escolhas feitas pelo BCE. Agora, o economista alemão parece estar em divergência com as principais decisões tomadas em Frankfurt.

Foto
Otmar Issing: "O comportamento da Itália é simplesmente irresponsável" RUI GAUDÊNCIO

Intervenção atrás de intervenção, o último encontro do Banco Central Europeu (BCE) em Sintra com Mario Draghi como presidente, foi, sem surpresa, uma sequência de elogios à sua liderança e em particular à forma como salvou o euro com apenas uma expressão: “fazer tudo o que for preciso” para preservar a moeda única. Vozes críticas não se ouviram durante as intervenções. Mas na assistência, em silêncio, pelo menos uma pessoa não partilhava do mesmo entusiasmo.