O fojo do lobo, com duas paredes graníticas de dois metros e meio de altura que se unem para rodear um fosso circular, domina a paisagem de Fafião.
Foto
O fojo do lobo, com duas paredes graníticas de dois metros e meio de altura que se unem para rodear um fosso circular, domina a paisagem de Fafião. Renata Monteiro

O lobo já atormentou Fafião — agora, a aldeia dedica-lhe um festival

A aldeia de Fafião, em Montalegre, organiza entre 28 e 29 de Junho um festival comunitário de entrada livre em prol da preservação do lobo-ibérico. Há música, exposições, workshops de pão em forno de lenha, passeios e, claro, muitas histórias de outros tempos.

O lobo-ibérico vai voltar a ser visto na aldeia comunitária de Fafião — pelo menos entre 28 e 29 de Junho, durante o festival comunitário em prol da preservação da espécie em perigo de extinção.

Como figura central do Festival Aldeia de Lobos, organizado pela Associação Vezeira, o lobo dá o mote a uma peça de teatro encenada pela Companhia de Teatro Filandorra, de Vila Real, e a uma sessão de contos e lendas sobre a relação de Fafião, em Montalegre, com o lobo, contada pelas “gentes da terra". Um dos pontos altos é a realização da famosa queimada pelo padre Fontes, um licor à base de aguardente, açúcar e maça.

O festival, em pleno coração do Parque Nacional Peneda-Gerês, no distrito de Vila Real, vai ainda dar a conhecer tradições locais, através da realização de workshops de artesanato, produção de pão em forno de lenha ou trabalho do ferro. Já nas cortes onde os animais pernoitam, a associação revela que estarão expostas máscaras tradicionais da região, feitas de madeira e outras instalações artísticas. Para contemplar as paisagens da aldeia, estão pensadas caminhadas e refeições comunitárias cozinhadas pela comunidade local. Nas ruas de Fafião, os visitantes vão poder encontrar exposições de fotografias retroiluminadas da autoria de Carlos Rio e Paulo Tavares, um mercado de produtos artesanais e fanfarras.

Do programa fazem ainda parte concertos e sets de DJ de artistas nacionais e internacionais, com destaque para o DJ Miguel Rendeiro, Bed Legs, Terra Livre, Prime Sinistre ou Good Four. Há ainda a possibilidade dos visitantes acompanharem o processo de restauro da figura do santo padroeiro da aldeia, São Tiago, a realizar pelo grupo de conservação e restauro dalmática. Durante os dois dias do festival, de entrada livre, os visitantes poderão acampar gratuitamente nas imediações, num local preparado para o efeito.