Desemprego registado cai para nível mais baixo dos últimos 28 anos

Os centros de emprego registaram 305 mil desempregados em Maio. É preciso recuar a Dezembro de 1991 para encontrar um número mais baixo.

Desemprego
Foto
Rita Franca

O número de desempregados registados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) continua a cair e atingiu, em Maio, o valor mais baixo dos últimos 28 anos. Os números divulgados nesta quarta-feira dão conta de 305.171 desempregados registados nos centros de emprego, uma redução de 12,9% face ao período homólogo e de 5% em relação a Abril.

É preciso recuar a Dezembro de 1991 para encontrar um número de inscrições mais baixo, quando o IEFP registava cerca de 297 mil desempregados.

A diminuição do desemprego registado face ao ano passado ocorreu em todos os grupos, “com destaque para os homens, os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos, os inscritos há um ano ou mais, os que procuravam novo emprego e os que possuem 1.º ciclo do ensino básico”.

Olhando para a inscrição de desempregados ao longo do mês de Maio, registaram-se nos serviços 38.202 desempregados, um número inferior ao de Maio de 2018 (-0,8%) e superior ao do mês anterior (+1,5%).

As ofertas de emprego recebidas durante o mês totalizaram 13.561 em todo o país, o que representa um aumento homólogo de 5,5% e de 29,6% em relação a Abril. A oferta de emprego diz respeito sobretudo às actividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio, ao alojamento e restauração e similares, à administração pública, educação e actividades de saúde e de apoio e, finalmente, ao comércio por grosso e retalho.

Foram colocados 7907 desempregados, com maior concentração nos trabalhadores não qualificados, nos serviços pessoais, segurança e vendedores e nos trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices.

Os números do IEFP dizem respeito aos desempregados que se inscrevem nos centros de emprego e nada têm a ver com as estatísticas publicadas trimestralmente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) que têm por base um inquérito.

Os dados mais recentes do INE dão conta de uma taxa de desemprego de 6,8% no primeiro trimestre de 2019. Esta percentagem traduz-se em 353,6 mil desempregados, mais 4,5 mil do que no trimestre anterior, mas menos 56,5 mil em relação ao trimestre homólogo. Pela primeira vez desde o início de 2016 o desemprego registou uma subida trimestral, interrompendo a tendência de estabilização verificada anteriormente.