Opinião

Pedrógão Grande: o resgate errado

Sem intervenção do Estado, toda esta região serve de pasto para ciclos contínuos de incêndios.

Dois anos após os trágicos acontecimentos na região de Pedrogão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos é visível neste território um cenário desolador, de hectares e hectares de árvores mortas, de risco muito elevado no presente e futuro próximo.

Em Nodeirinho, povoação que viu morrer onze dos seus trinta e três habitantes em Junho de 2017, as rotas de fuga continuam hoje ladeadas pelo risco. Persistem os caminhos estreitos, onde árvores mortas e outras que surgiram após a passagem do fogo desafiam os limites das faixas de rodagem. Mantém-se o tanque que salvou muitos dos seus habitantes, agora com o Memorial às Vítimas a fazer-lhe companhia.

Em Escalos Fundeiros, lugar dado como de início do grande incêndio, as copas das árvores persistem hoje, perigosamente, próximas da linha de média tensão. Ainda lá estão as árvores queimadas em 2017. Não se aprendeu nada, insiste-se em desafiar o risco.

Por toda a região, às varas queimadas do eucalipto, juntaram-se as que brotaram após o incêndio, sem que tenha havido qualquer tipo de intervenção cultural. Afinal de contas, a famosa “rentabilidade” do eucalipto não permite sequer custear uma selecção de varas, uma replantação ou uma reconversão do solo para outros fins?

Toros de madeira empilhados persistem hoje junto a caminhos de fuga. Não foram removidos, foram abandonados. São verdadeiras bombas, a aguardar que lhes chegue uma faúlha, uma beata, um fósforo.

Sem intervenção do Estado, toda esta região serve de pasto para ciclos contínuos de incêndios. Nem os proprietários investem, num ciclo sem expectativas de rentabilidade para alterar a situação, nem o Estado tem força política e vontade para obrigar quem se abasteceu destas plantações a suportar os custos da necessária alteração de fundo.

Um plano de resgate é urgente! Mas ele precisa de quadros técnicos de proximidade, que apoiem as populações e os decisores políticos locais a enfrentar os desafios de uma necessária e rápida mudança. Infelizmente, as escolas que poderiam formar rapidamente esse corpo técnico não dispõem hoje de cursos abertos. Neste momento, nenhuma escola profissional de agricultura tem aberto um curso de técnico florestal. Como ganhar uma guerra sem um exército? Apesar de recomendada a aposta nesta formação profissional, no relatório da Comissão Técnica Independente aos incêndios de Outubro de 2017, desconhecem-se quaisquer iniciativas governamentais para lhe dar acolhimento.

Ao risco de ontem acresce hoje e no futuro o agravamento da crise climática, o incontido despovoamento, o avanço da desertificação. Se queremos ter um território vivo, que sustente as múltiplas necessidades do país, não conseguiremos escapar à necessidade de o resgatar.

Ao território que foi vítima dos incêndios em Junho de 2017 acrescem o que o foi atingido no Verão e em Outubro desse ano, o ardido em 2016, nos anos anteriores e em 2018 e todo o outro ameaçado pela seca, despovoamento e desertificação.

Passaram dois anos desde que a combinação explosiva de perigosas plantações de espécies exóticas, despovoamento e temperaturas extremas provocou em Portugal uma tragédia de escala global. Desde então, as celuloses reforçaram o seu poder dentro do aparelho do Estado, com ex-quadros a liderar a nova agência dos fogos rurais e até a desenhar as leis orgânicas do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas. Por sua vez, os Planos Regionais de Ordenamento Florestal, aprovados após 2017, apontam para um incentivo ao eucalipto no país. À medida que vai ocupando novas áreas, vai deixando “lixo” para trás, verdadeira epidemia. Em Portugal, estima-se em mais de 600 mil hectares a área de eucaliptal com mais de três cortes e em regime de abandono. Esta área de “lixo” é um dos maiores riscos para o futuro.

Dois anos depois, o governo nada tem para apresentar num território muito mais degradado do que aquele que herdou. É altura de deixar de suportar politicamente e financeiramente quem cria as condições materiais para a desertificação e o empobrecimento do país. É preciso sim resgatar as comunidades e os territórios devastados pelas chamas. Quanto mais tarde vier esse resgate, piores serão as consequências sociais, económicas e ambientais. Se não ocorrer em breve, arriscamos a irreversibilidade.