Menos de um terço dos professores que avaliam exames tem formação para a tarefa

Desde 2015 que só supervisores têm tido preparação. Professores queixam-se da dureza do trabalho: têm que rever 50 provas em duas semanas. Uma nova época de exames nacionais tem hoje início.

Foto
Manuela Inácio, que dá aulas no Agrupamento Frei Gonçalves de Azevedo, em Tires, no concelho de Cascais, passou pelas formações do Iave durante o período de 2010 a 2015 Nuno Ferreira Santos

Maria de Fátima Gomes leva quase 20 anos a corrigir provas nacionais do ensino secundário e não há forma de passar a gostar da tarefa que lhe ocupará as próximas duas semanas. “Odeio corrigir exames”, diz, sem meias-palavras. O cansaço acumulado de todo um ano lectivo e a pressão de saber que, daquele seu trabalho depende o futuro de muitos alunos não a deixam confortável.