DGPC alarga classificação de palácio de Mafra. E abre processo para proteger criança do Lapedo e ponte de Viana

Processos foram abertos esta segunda-feira e seguirão agora a sua tramitação.

Fotogaleria
A candidatura a património mundial destaca a unicidade de Mafra Nuno Ferreira Monteiro
Fotogaleria
O esqueleto do Lapedo tem cerca de 29 mil anos Nuno Ferreira Santos

A Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) propôs ao Governo classificar como monumento nacional todo o conjunto composto pelo palácio, basílica, convento, jardim do cerco e tapada de Mafra, indica o Diário da República desta segunda-feira. Datado do século XVIII, o Palácio Nacional de Mafra, mandado construir por D. João V com a riqueza resultante do ouro vindo do Brasil, é um dos mais importantes monumentos representativos do barroco em Portugal e está classificado como monumento nacional desde 1910.

No final de 2017, foi entregue o dossier de candidatura daquele conjunto a património mundial à UNESCO pela Câmara de Mafra. A candidatura, que destaca a unicidade do monumento, lembra a importância da biblioteca do palácio e dos seis órgãos históricos da igreja, bem como do seu conjunto sineiro composto por dois carrilhões e 119 sinos.

Criada em 1747, a tapada possui mais de 500 animais de 60 espécies diferentes, entre gamos, veados, javalis, aves como a águia de Bonelli ou o bufo real, e uma floresta de 800 hectares. 

A DGPC abriu também um procedimento de classificação do esqueleto da “Criança do Lapedo” e respectivos artefactos arqueológicos, encontrados no Abrigo do Lagar Velho, em Leiria, “cuja protecção e valorização representam valor cultural de significado para a nação”, lê-se também no Diário de República desta segunda-feira. O pedido já fora avançado em Dezembro de 2018 pelo Museu Nacional de Arqueologia. O esqueleto tem cerca de 29 mil anos e a sua descoberta constituiu um acontecimento marcante no seio da paleoantropologia internacional, por se tratar do primeiro enterramento Paleolítico escavado na Península Ibérica.

Também “em vias de classificação" como imóvel de interesse nacional está agora a Ponte Eiffel, em Viana do Castelo, que no dia 30 completa 141 anos. A proposta de classificação daquela travessia metálica sobre o rio Lima foi aprovada pela câmara de Viana em Julho de 2018. A ponte, que liga a cidade de Viana do Castelo a Darque, sobre o rio Lima, encontra-se classificada como património da cidade e constitui um símbolo da arquitectura do ferro do século XIX. Inaugurada em 1878, foi desenhada pela casa Eiffel de Paris.