Reportagem

Com um assistente, “um degrau de dez centímetros já não se transforma numa parede”

Um jovem que se emancipou, um casal que tem mais apoio nas tarefas do quotidiano e uma mulher que ainda não tem assistentes pessoais e é cuidada pela mãe, de 83 anos. As histórias de quem já tem ou precisa de uma vida independente.

Foto
É a mãe de Ana Simão que, aos 83 anos, cuida da filha incapacitada por uma osteogénese imperfeita. Rui Guadêncio

Joaquim Roque e a esposa vivem em Óbidos. Têm os dois deficiências que lhes limitam os movimentos e obrigam a andar de cadeira de rodas. São activos e autónomos, “tanto quanto possível”. Até há pouco tempo, pagavam do seu bolso a ajuda de uma pessoa. “Claro que éramos nós que pagávamos e, por isso, tentávamos gastar o mínimo de horas possível”, lembra o funcionário da Câmara Municipal do Bombarral.