Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
M. Night Shyamalan
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Piano
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Reportagem

Uma comunidade a “ocupar” um jardim como se mudasse o mundo

Uma comunidade reunida em assembleias de vizinhos. Cantoria e encenação. Amizades e combate à solidão. No espectáculo Ilha-Jardim, da Pele, muda-se um jardim “para o mundo ser mais como devia”. Não tem de ser uma utopia, mostram este domingo no Jardim Paulo Vallada

No convite “ao acaso” feito na rua cabia a possibilidade de um mundo novo. Ainda que Manuel Sequeira ainda não o imaginasse naquele momento. Passeava nas redondezas do seu bairro Fernão de Magalhães, no Bonfim, quando duas pessoas da estrutura artística Pele se acercaram e lhe perguntaram se era dali. Apressou-se na resposta, vestida de orgulho, dizendo morar na zona há 60 anos. “Se quiserem alguma informação é só pedir”, ter-lhe-á dito. Mas o propósito da dupla era outro. “Queríamos perguntar se sabe cantar ou tocar?” Estranhando a questão, respondeu que não. Contou ser viúvo, viver sozinho, não ter talentos artísticos. “Na próxima quinta-feira vai para a nossa beira”, desafiaram-no. Manuel Sequeira, 83 anos, conta sorridente o episódio para recordar como chegou à Pele e ali encontrou a sua “segunda família”. Este domingo, no Jardim Paulo Vallada (18h, entrada gratuita), será um dos “actores” da comunidade a protagonizar o espectáculo Ilha-Jardim. Nele, como na vida, transformar um espaço não tem de ser uma utopia.