Política Cultural

A greve à ópera La Bohème foi só o início de uma luta para continuar

Os funcionários do Organismo de Produção Artística (Opart) cumpriram este domingo mais um dia de greve e manifestaram-se à porta do Teatro Nacional de São Carlos. Dada a inflexibilidade do Ministério da Cultura, o sindicato avisa que o protesto vai continuar.

NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS

A quinta e última récita da ópera La Bohème, que deveria ter subido esta tarde ao palco do Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, foi cancelada, tal como as anteriores, devido à greve dos trabalhadores. Os funcionários do Organismo de Produção Artística (Opart), que gere o São Carlos e a Companhia Nacional de Bailado, protestam contra a indisponibilidade do Ministério da Cultura para corrigir a disparidade salarial entre os técnicos das duas estruturas e ponderam novas formas de luta, além da já anunciada greve às apresentações no Teatro Municipal Rivoli, no Porto, do bailado Dom Quixote, e aos espectáculos do Festival Ao Largo, cuja programação está ainda por anunciar.

NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
NUNO FERREIRA SANTOS
Sugerir correcção