Opinião

Três coisas que eu não disse no 10 de Junho

Se querem um programa de governo, vão falar com António Costa. A minha profissão é outra. Chama-se jornalismo. E faz muita falta ao país.

Os escritores costumam dizer que os livros deixam de ser deles quando chegam às mãos dos leitores, ganhando vida própria. Em obras de ficção, isso é verdade. Só que um discurso do 10 de Junho não é um romance – é suposto que aquilo que o autor quis dizer seja aquilo que ele disse. Se não for, das duas, uma: ou o autor não se soube explicar, ou os ouvintes não quiseram perceber.