Opinião

A nostalgia das causas

Nos dias de hoje, e nos discursos do 10 de Junho, assistiu-se ao retorno ideológico da orfandade das causas.

Há uma doença que, de vez em quando, assalta a nossa democracia: a nostalgia das causas. Em particular, quando essa nostalgia é enunciada como desejo político, e quando essas causas representam uma distorção democrática. Num país que teve uma ditadura de 48 anos e um PREC de dois ou três, em que existiu uma censura total durante mais do que uma geração, as causas tendem a ser um remake, ou do pensamento orgânico ou da ditadura ou do PREC. Elas associam-se também ao discurso sobre a identidade nacional, quer visto negativamente, quer na ideia expressa na pergunta “que país queremos”? Se passarmos dos truísmos, - na verdade toda a gente sabe que país queremos, - entramos num terreno muito pantanoso e profundamente iliberal.