Grupo de José Avillez confirma encerramento de três restaurantes em Lisboa

As casas fecham, segundo o grupo, apenas por “decisões de gestão” e “rentabilização de recursos”.

Foto
O chef José Avillez Nuno Ferreira Santos

O Za’atar, a Pitaria e a Cantina Zé Avillez no Campo das Cebolas fecharam portas. Os três restaurantes do grupo liderado pelo chef José Avillez não voltarão a reabrir, embora para as moradas da Pitaria e do Za'atar estejam previstos novos conceitos. Já no caso do Campo das Cebolas é um encerramento definitivo e o espaço deixará de ter a marca Avillez, presente actualmente em cerca de duas dezenas de locais.

“Os três espaços alcançaram algum sucesso”, disse à Fugas Mónica Bessone, relações públicas do grupo Avillez, resumindo os três casos como simples “decisões de gestão”. “De seis em seis meses é feita uma avaliação dos espaços e por vezes optamos por novos projectos.”

O Za'atar, na rua de São Paulo, era um dos casos especiais de parcerias de Avillez, aqui com o chef libanês Joe Barza. Tinha aberto há pouco mais de oito meses e oferecia uma cozinha libanesa pelas mãos de um verdadeiro embaixador desta gastronomia, célebre também por ter feito o programa Top Chef do Médio Oriente. “Consideramos que teve algum sucesso e a parceria deixou ambos os chefs muito satisfeitos”, mas terminou, resume a responsável pelas comunicações do grupo. 

PÚBLICO - Za'atar
Za'atar
PÚBLICO - Cantina Zé Avillez
Cantina Zé Avillez Miguel Manso
Fotogaleria

Outra casa com sabores do Médio Oriente, a Pitaria, na Rua Nova da Trindade, teve o mesmo destino e não voltará, devendo também acolher outro conceito. 

Já a morada da Cantina Zé Avillez no Campo das Cebolas, onde o chef apostava em sabores mais tradicionais, deixará de fazer parte do grupo.

“É apenas uma decisão de gestão e de rentabilização de recursos” encarada “com tranquilidade”, reafirma Mónica Bessone, afastando quaisquer cenários de mais encerramentos de casas Avillez para breve. A responsável recorda que, ao longo dos anos, também foram ficando pelo caminho outros projectos, igualmente por “decisões de gestão” similares, casos do take-away ou da Empanadaria do Chef. Os restaurantes fecharam “entre os fins de Maio e inícios de Junho”, mas só hoje a informação se tornou oficial, com o jornal Expresso a noticiar o encerramento dos três locais.

Por outro lado, enquanto se fecham estas portas, abrem-se outras: recentemente, Avillez abriu um restaurante no Dubai, o Belcanto mudou de morada e renovou-se (o duas estrelas Michelin está agora na Serpa Pinto) e ocorreu a abertura de mais um Cantinho do Avillez, em Cascais.

Contas feitas, o chef detém actualmente 20 espaços, 19 em Portugal: Belcanto, Bairro do Avillez (Mercearia, Taberna, Páteo, Beco), Cantina Peruana, Barra Cascabel com o chef Roberto Ruiz no Gourmet Experience do El Corte Inglés onde detém também a Tasca Chic e o Jacaré, Rei da China e Casa dos Prazeres, Café Lisboa (São Carlos), Cantinho do Avillez (Cascais, Chiado, Parque das Nações, Porto), Mini Bar (Lisboa e Porto), Pizzaria Lisboa.

A somar a estes, saliente-se que, no Porto, o grupo Avillez comprou no ano passado o grupo Cafeína, que continua a ser gerido pelo seu criador, Vasco Mourão. A marca Cafeína já tinha cinco espaços e acaba de abrir a Tasca Vasco. O grupo pretende também transformar “o café mais antigo do Porto”, o Progresso, num Cafeína Downtown.