Quatro funcionários do Pingo Doce detidos por suspeitas de corrupção

Os suspeitos foram suspensos pela empresa. PJ apreendeu 400 mil euros em dinheiro e automóveis de alta cilindrada.

Plataforma logística do Pingo Doce, na Azambuja, foi alvo de buscas pela PJ
Foto
Plataforma logística do Pingo Doce, na Azambuja, foi alvo de buscas pela PJ Andreia Carvalho/arquivo

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou nesta quarta-feira que a Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) deteve quatro pessoas suspeitas da prática de crimes de corrupção passiva e activa, no sector privado, e branqueamento de capitais, no âmbito da Operação Rappel.

Os detidos são três homens e uma mulher com idades compreendidas entre os 40 e os 65 anos de idade, altos funcionários do Pingo Doce, do grupo Jerónimo Martins, confirmou o PÚBLICO junto da empresa, que fez a denúncia às autoridades. Há ainda mais dez pessoas constituídas arguidas. Os crimes em causa terão lesado a própria empresa e estarão relacionados com um esquema de escolha de fornecedores dos supermercados.

Segundo comunicado, a UNCC da PJ fez 18 buscas na zona da Grande Lisboa, onde apreendeu “várias viaturas de gama alta, documentos, material informático, outro material relacionado com a prática da actividade criminosa e ainda cerca de 400 mil euros” em dinheiro.

Por sua vez, o Pingo Doce confirmou ao PÚBLICO que a operação da PJ decorreu na “plataforma logística da Azambuja” do grupo de supermercados. “As alegadas práticas terão sido levadas a cabo em benefício próprio dos autores e em grave prejuízo da empresa”. O Pingo Doce decidiu, no imediato, a “suspensão de cinco colaboradores presumivelmente implicados” no processo e mostra-se “inteiramente disponível para continuar a colaborar com as autoridades no apuramento dos factos”.

Os quatro detidos serão encaminhados “às autoridades judiciárias competentes para interrogatório e aplicação de medidas de coacção”. A investigação deste caso decorre no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Loures para “determinar todas as condutas criminosas e o seu alcance”.