Nuno Mota, 33 anos, autor do blog Alho Francês e da receita dos Damn Donuts
Foto
Nuno Mota, 33 anos, autor do blog Alho Francês e da receita dos Damn Donuts Adriano Miranda

Damn! Os donuts vegan de Nuno vendem-se que nem pãezinhos quentes

Começaram a criar água na boca no Instagram, antes de chegarem na mala de um carro a Lisboa, Porto e Algarve. Os Damn Doughnuts não têm ovos, leite ou manteiga — ingredientes que pouca falta fazem nas mãos de Nuno Mota, mais conhecido por Alho Francês. E, pelo que ouvimos, na boca de quem os prova também.

Há ingredientes estranhos na receita dos donuts sem ovos, leite ou manteiga que esperam em caixas, na mala do carro de Nuno Mota. Não falamos da massa — “o nosso maior orgulho” — das coberturas — “não quero saber delas, mas é o que as pessoas querem” — ou muito menos de não terem produtos de origem animal — o factor damn!, para quem ainda tem “as expectativas baixas por serem vegetarianos”. Falamos da sequências de acontecimentos que, se quisermos romancear, levaram não só à “receita perfeita” que o chef de 33 anos nunca chegou a partilhar no blogue Alho Francês, mas também a um “sucesso” de vendas.

Por exemplo, que foi Conan Osiris a primeira pessoa a provar um Damn Doughnutdepois do próprio Nuno e da mulher Jael Correia, com quem acaba de regressar a Portugal depois de cinco anos a trabalharem num restaurante na Noruega. Ou que, quando vem ao Porto distribuir donuts, cozinha e dorme na barulhenta casa da família Pinto da Costa, conhecida por participar no programa Famílias Frente a Frente, da RTP — “ele ainda se vai mudar para cá, ai vai, vai”, ouve-se da sala, entre risos, quando o P3 vai acompanhar a confecção. 

PÚBLICO -
Adriano Miranda

E de como “grande parte desta cultura de empreendedorismo”, do “se queres, faz tu”, vem de um movimento de contracultura, de quando era manager e amigo de bandas de música hardcore, que via no início dos anos 00 tocarem em garagens, caves, bares, onde quer que fosse. Ouviam e faziam música que fala de “responsabilidade”, “integridade”, “ser verdadeiro para ti mesmo”, prestar atenção ao outro. Punham e põem (quase) tudo em questão, desde as notícias nos jornais nacionais — “não sou vosso consumidor”, avisa — aos direitos dos animais e à sustentabilidade ambiental.

“A música, nesse contexto, foi crucial. Até para ter o primeiro contacto com vegetarianismo…” — distrai-se ao ver alguém passar com uma t-shirt dos Rage Against the Machine, uma das suas bandas favoritas (Tim Commerford, o baixista, é vegan.) “Era, na altura, uma discussão muito política, muito teórica.” Havia reuniões para falarem sobre veganismo, discutirem activismo pela libertação animal ou para partilharem receitas à base de plantas.

É isso que Nuno Mota faz no blogue Alho Francês e no Instagram — mas decidiu não partilhar a receita dos donuts. Isto porque é “difícil perceber a quantidade de farinha de apoio necessária”, diz, e ele já teve um caso semelhante que gerou dificuldades aos cozinheiros amadores que o seguem: “Como eu apregoo que todas as receitas funcionam, as pessoas telefonavam e eu estava a ajudá-las à distância. Eu queria mesmo ajudar porque isso é que faz a diferença no meu trabalho: as pessoas acreditam mesmo no que eu digo, faço e público.” Estava com Jael, “os dois orgulhosos do resultado no sofá”, quando ela lhe sugere: já que não é para partilhar, “só se dermos a provar”.

PÚBLICO -
Adriano Miranda
PÚBLICO -
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Começaram a criar ruído no Instagram: “Eu conheço poucas pessoas famosas. Tive de usar a minha lábia para reunir alguns”, brinca. Apanhou Conan Osiris a sair de uma rádio, agarrou-o e, com um tanto de previsibilidade, perguntou-lhe: “Tu adoras bolos, não é?”. A seguir, Carolina Deslandes fez um “vídeo de boca cheia” — “e os seguidores pareciam uma cascata”. Resultado conseguido: “As pessoas já adoravam o produto antes de o provarem.” A quem enviava os donuts, dizia: “Não precisas de fazer nada. Quero que tu proves e digas só se é bom ou não. E essa falta de exigências fez com que, quando eles publicassem [a sua opinião], tivesse mais essência, que é muito raro nas redes sociais.”

Em Abril, na primeira vez que participaram numa feira de venda ao público, nos Anjos70, em Lisboa, já tinham pessoas à espera quando chegaram — venderam 60 donuts em 15 minutos. Fizeram três vendas numa banca, até que passaram a vender apenas por encomenda pré-paga (3 euros a unidade), a partir da mala de um carro. Mais uma vez, é tudo arranjado através do Instagram: é lá que anunciam onde vão estar, poucos dias antes.

No início desta semana, depois de Lisboa — onde costuma fazer as encomendas na mala de um Smart — e do Porto, chegaram ao Algarve. Quatro horas depois de anunciarem a estreia, as 200 unidades já tinham dono. “As encomendas foram a forma que criámos de ter sempre controlo. Há um cuidado muito grande com o desperdício porque isto é feito tudo à mão. Está um bocadinho de nós em cada donut, não consigo deitar fora.” A próxima está agendada para 16 de Junho, em Lisboa.

PÚBLICO - Durante uma entrega, no Porto
Durante uma entrega, no Porto Gonçalo Dias
PÚBLICO - Durante uma entrega, no Porto
Durante uma entrega, no Porto Gonçalo Dias
Fotogaleria
Gonçalo Dias

Como Nuno faz os donuts na própria manhã antes da entrega, quando acedeu aos “pedidos de à volta de 300 pessoas” e rumou a norte para três dias seguidos de entrega, aceitou o convite casual da família que conheceu na Praça da Alegria, onde foi apresentar, na altura, a sua receita de panquecas. Durante cinco a seis horas, o tempo que demora “a irem de farinha até à caixa”, transforma a cozinha deles, numa casa em Olival, “numa verdadeira confeitaria” — palavra de quem o deixa andar por lá, como se a casa fosse sua. Os donuts alinham-se pelas mesas, bancadas, armários.

Depois do almoço (ele pouco come nestes dias), põem-nos nas caixas que, a partir das 18h, começam a sair da mala do carro, estacionado, desta vez, nos Clérigos. Os clientes chegam (e são sobretudo mulheres), dizem o nome e ele entrega a caixa (ou as caixas) recebendo de volta frases como: “Eu ando a sonhar com isto desde a primeira vez que cá vieste”; “Tens mesmo de vir a Vila Real”; “Tenho de tirar uma foto com o ‘Alho’, não vou aguentar”. Há duas amigas que ainda voltam, para não se arrependerem mais tarde: “Será que ainda tens aí alguns extras?”. E vão embora, às vezes sem resistir a uma dentada, ali mesmo. Uma vez, no Saldanha, um polícia foi ter com ele: “Desculpe, o que é que vocês estão a vender? É que uma senhora pediu-me para estacionar e eu deixei-a porque ela disse que eram donuts exclusivos, raros”, ri-se.

Não é que donuts vegan sejam raros — no Porto, só a 500 metros donde estaciona o carro, existe um outro quiosque que também só vende este doce, os Duh!, que acabam de fazer um ano. Fazem antes parte de uma categoria semelhante à dos queques — isto é, cupcakes — que, com a ajuda de coberturas fotogénicas, inundam a página de tendências do Instagram e preenchem desejos que uma ida ao supermercado não satisfaz: apoiar negócios independentes, comprar produtos artesanais, apertar as mãos que o fizeram (neste caso, é preferido um abraço). Nuno Mota pode perceber como é que a rede social que mudou a forma como compramos, viajamos ou comemos funciona enquanto montra visual. Mas, garante-nos, o Alho nunca fez nada só para ficar bem na fotografia.