Antigo “vice” da CGD diz que operação Boats Caravela foi diferente da versão assinada

Vieira Monteiro (ao centro)
Foto
Vieira Monteiro (ao centro) LUSA/MIGUEL A. LOPES

O antigo vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) António Viera Monteiro garantiu nesta terça-feira que a operação Boats Caravela, que gerou perdas de 340 milhões de euros para o banco público, foi diferente daquela que foi assinada.

O actual presidente do conselho de administração do Santander Totta está, esta terça-feira, a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD.

Vieira Monteiro disse aos deputados que, no quadro das suas responsabilidades, acompanhou “a fase de preparação da operação e participou nas reuniões do conselho de administração em que se aprovaram as suas condições. No entanto, aquilo que foi executado juridicamente relativamente à operação foi, segundo o gestor, distinto daquilo que foi aprovado, pelo que não se poderá pronunciar “sobre a versão final do clausulado e seus anexos”.

“Lendo-o agora, em preparação para esta audição, e comparando-o com as deliberações em conselho de administração que haviam fixado as suas condições, verifico que existe uma discrepância entre o que este órgão autorizou – balizando rigorosa e zelosamente o nível de risco a assumir – e o que consta das duas cláusulas do contrato, que se desviam das condições aprovadas pelo conselho de administração”, disse.

“A operação, da maneira como estava delineada, não trazia perdas”, disse Vieira Monteiro aos deputados, admitindo ser “evidente que fazer, na altura, futurologia era difícil”.

O antigo vice-presidente da CGD lembrou que se tratava de “um fundo fechado” composto por activos “de primeira qualidade”, ao passo que a versão assinada do contrato, “sem que se entenda porquê”, atribui à contraparte do banco o poder de alteração discricionária da composição do fundo, podendo, com isso, a qualidade dos activos ser afectada e, consequentemente, o desempenho do contrato prejudicado.

“A fase de execução decorreu integralmente depois do início de 2000, ou seja, depois do termo do meu mandato”, acrescentou, tendo admitido, dirigindo-se à deputada do CDS Cecília Meireles, que ficou “surpreendido” perante os resultados negativos “em tão pouco espaço de tempo”. “Só vim a conhecer o contrato muito mais tarde. Não podia saber as cláusulas que levaram a esta situação”, disse o antigo responsável da CGD, garantindo que “nunca contactou com o Crédit Suisse”.

Os Boats Caravela foram um instrumento financeiro investido pela Caixa que implicava troca de activos, mas acabou por dar hipótese contratual à contraparte do negócio (o Credit Suisse First Boston) de colocar nos activos trocados produtos financeiros de baixa qualidade, que se desvalorizaram e geraram perdas de 340 milhões de euros para o banco público.