No Ponto: joaninhas de Cascais

Paula Brito Nunes é uma das poucas pessoas que, hoje, faz joaninhas para venda. Apresenta-as no restaurante O Paulinha.

Foto

Recuando cem anos no tempo, havia no concelho de Cascais uma actividade doceira e pasteleira apreciável. O negócio avançava de vento em popa na viragem para o séc. XX e nos anos seguintes, e fazia-se quer por senhoras conhecedoras que trabalhavam em casa por encomenda, quer por vários estabelecimentos comerciais que apresentavam os doces nas suas montras. 

Uma destas especialidades antigas de Cascais chama-se joaninha. Paula Brito Nunes é uma das poucas pessoas que, hoje, faz joaninhas para venda. Andou muito tempo à procura de receitas locais para apresentar no seu restaurante, O Paulinha, e conseguiu uma mão-cheia delas. No seu restaurante não encontramos todas, mas o conhecimento está aqui guardado.

A Doçaria Portuguesa
Cristina Castro criou o projecto No Ponto para registar e dar a conhecer os doces do país. Tem vindo a publicar a colecção A Doçaria Portuguesa, “os mais completos livros sobre a história e actualidade dos doces de Portugal”. A investigação para este trabalho levou a autora a viajar por todos os concelhos em busca de especialidades doceiras. A partir da oportunidade de ver como se faz, de falar com quem produz, de conhecer vidas, histórias e tradições associadas à doçaria, surgiram os vídeos que desvendam um pouco de cada doce. Regularmente, a Fugas revela um vídeo novo sobre um doce diferente.

PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria