Ministério da Justiça contratou empreiteiro que sabia ser cadastrado

Caso remonta a 2011 e envolve vogal do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, que agora dirige autarquia de Condeixa-a-Nova.

Foto
A sede do IGFEJ está instalada no Campus da Justiça em Lisboa Fábio Augusto

A mensagem de correio electrónico que a funcionária enviou à sua superior hierárquica naquela tarde de Novembro de 2011 não deixava grande margem à imaginação. Tinha descoberto que o currículo do empreiteiro que o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos do Ministério da Justiça ia contratar no dia seguinte para fazer obras no Palácio da Justiça da Lourinhã não era lá muito recomendável.