MPLA suspende Tchizé dos Santos do Comité Central

Filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos é alvo de processo disciplinar por não se apresentar há meses no Parlamento e não suspender mandato de deputada. Ela diz que partido tem medo que leve críticas ao Congresso, que acontece já para a semana.

,MPLA
Foto
Filha de José Eduardo dos Santos quer destituir João Lourenço João Relvas/Lusa

O Comité Central do MPLA abriu um processo disciplinar à deputada Tchizé dos Santos, uma das filhas do ex-Presidente da República José Eduardo dos Santos, e suspendeu a sua participação naquele órgão do partido de governo em Angola.

Em comunicado citado pela agência Lusa, o partido explica que decidiu aplicar estas medidas à “camarada Welwitschea José dos Santos por conduta que atenta contra as regras de disciplina do partido”, após reunião extraordinária, sob a presidência de João Lourenço, líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e Presidente da República.

Tchizé dos Santos está fora de Angola e já não vai ao Parlamento há mais de quatro meses. A partir de Londres, a deputada diz que está a ser perseguida e que teme pela sua vida. Acusa João Lourenço de estar a fazer um “golpe de Estado contra as instituições” em Angola, pedindo a destituição do Presidente. Diz ainda que está “involuntariamente” fora do país devido à doença da filha e que há vários meses estava a ser “intimidada” por dirigentes do partido no poder desde 1975.

O porta-voz do MPLA Paulo Pombolo tinha considerado “muito graves” as declarações da deputada angolana. “Tem provas? São palavras absurdas e declarações graves, muito graves, que o partido vai analisar”, prometeu, ainda em Maio, mas garantindo que não estava em cima da mesa a expulsão de Tchizé dos Santos. O partido quer, no entanto, que ela suspenda o mandato de deputada – coisa que ela recusa fazer.

Tchizé dos Santos difundiu uma gravação áudio nas redes sociais em que afirma que os líderes do partido temiam que ela aparecesse no VII congresso extraordinário do MPLA, que começa no dia 15 de Junho, e “diga algumas verdades”, noticia o Jornal de Angola. A deputada considera que todas as propostas que vão à análise do Congresso violam os estatutos do partido. “Estão com medo, porque sou a única militante com coragem que chegaria ao Congresso (…), tenho muita força ao ponto de ser temida”, diz a filha de José Eduardo dos Santos nessa gravação.