Fisco corrige 200 milhões em IRC na zona franca para mostrar a Bruxelas

Comissão Europeia detectou falta de fiscalização na Madeira, forçando fisco a lançar inspecções. Empresas têm de corrigir imposto. Governo faz retrato dos últimos quatro anos, mas não do que se passava antes.

Portugal atribuiu benefícios sem cuidar se os empregos eram criados e mantidos na Madeira
Foto
Portugal atribuiu benefícios sem cuidar se os empregos eram criados e mantidos na Madeira Rui Gaudêncio

Os números são escassos e só revelam uma pequena parte da realidade, a dos últimos quatro anos da Zona Franca da Madeira (ZFM), de pé há três décadas. A partir do momento em que a Comissão Europeia começou a monitorizar o regime fiscal de forma mais atenta em 2015 e detectou um controlo fiscal deficiente, Portugal ficou sob pressão para avançar com uma vaga de inspecções tributárias às empresas da praça madeirense. E assim foi.